1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

MPF entra com recurso e questiona ação do juiz no caso Neymar

- Atualizado: 12 Fevereiro 2016 | 23h 47

Denúncia sobre falsidade ideológica e sonegação foi rejeitada

O Ministério Público Federal entrou com uma petição nesta sexta-feira para que o juiz Mateus Castelo Branco reconsidere a decisão de rejeitar a denúncia contra o atacante Neymar, seu pai e dirigentes do Barcelona. O MPF, autor da denúncia, argumenta que o juiz não seguiu o rito processual, permitindo que a defesa tivesse acesso aos documentos.

No dia 4 de fevereiro, o juiz Mateus Castelo Branco rejeitou a denúncia de sonegação fiscal e falsidade ideológica argumentando que não poderia haver uma acusação baseada em um procedimento administrativo que ainda está em curso na Receita Federal. Logo após a decisão, o MPF já havia divulgado uma nota informando que entraria com o recurso.

Neymar deixa a Audiência Espanhola após prestar depoimento

Neymar deixa a Audiência Espanhola após prestar depoimento

A Procuradoria também contesta esse argumento. Eles citam que a rejeição partiu do princípio de que crimes de falsidade ideológica foram cometidos para cometer delitos tributários – os chamados “crimes meios”.

Além do jogador, também fazem parte da denúncia o pai do jogador, Neymar da Silva Santos, o atual presidente do Barcelona, Josep Maria Bartomeu, e o anterior, Sandro Rossell. A denúncia se refere aos valores recebidos pela empresa do jogador, a NR Sports, do clube espanhol, na transferência de Neymar ao clube catalão em 2013.

Nesta quinta-feira, a 7ª Vara Federal de Santos decidiu manter o bloqueio de R$ 188 milhões das contas do atacante Neymar e de seu pais, Neymar da Silva Santos e Nadine da Silva Santos, e das empresas da família por terem deixado de pagar impostos entre 2011 e 2013. O bloqueio atende a um requerimento da Procuradoria da Fazenda Nacional, e o valor corrigido é de R$ 192 milhões. A decisão é liminar (provisória) e a defesa de Neymar poderá recorrer.

Pai de Neymar, com o filho, antes de depoimento na Espanha
Pai de Neymar, com o filho, antes de depoimento na Espanha

A Receita alega que houve sonegação de R$ 63,6 milhões. O valor do bloqueio é mais alto, porque a Justiça aplica uma multa de 150% e juros sobre o valor. A multa é aplicada quando há suspeita de dolo, fraude e simulação de operações para tentar enganar o Fisco.

O valor foi recebido como direito de imagem do jogador pelas empresas N& N Consultoria Esportiva e Empresarial e Neymar Sports. A Fazenda Nacional alega que tais rendimentos deveriam ter sido pagos como salário, o que significaria uma tributação maior. Os documentos apontam omissão de rendimentos de fontes do exterior com publicidade e de rendimentos oriundos de vínculo empregatício pagos pelo Barcelona.

Neymar deixa a sede da Audiência Nacional, na Espanha

Neymar deixa a sede da Audiência Nacional, na Espanha

Neymar deixa a sede da Audiência Nacional, na Espanha

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EsportesX