José Patrício/Estadão
José Patrício/Estadão

Muricy defende Ataíde e conta ter desafeto que não está na diretoria

Técnico do São Paulo volta a reclamar de problemas nos bastidores

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

16 Março 2015 | 07h00

Os problemas internos nos bastidores do São Paulo voltaram a ser tema de um desabafo do técnico Muricy Ramalho. Ao fim da vitória sobre a Ponte Preta por 2 a 1, neste domingo, pelo Campeonato Paulista, o treinador voltou a reclamar de perseguição e defendeu a permanência no cargo do vice-presidente de futebol Ataíde Gil Guerreiro.

Ataíde tem sido alvo de protestos da torcida organizada e já teve o nome criticado também por conselheiros da oposição. "Ele é um grande companheiro, o conheço há muitos anos, o admiro e é uma pessoa importante. O presidente (Carlos Miguel Aidar) está do lado dele, mas com certeza o São Paulo perderia muito se o Ataíde saísse", afirmou Muricy.

Ataíde começou a ser criticado no clube principalmente por críticas à torcida feitas no último domingo, horas depois do São Paulo perder por 1 a 0 para o Corinthians. O dirigente afirmou que nem com os portões abertos o Morumbi ficaria cheio, declaração que irritou parte da facção organizada.

A semana ficou ainda mais movimentada na quinta-feira, quando Muricy disse que o ambiente no clube estava dividido e isso o deixava preocupado com possíveis impactos no rendimento do time. Neste domingo o técnico reclamou que a perseguição contra o seu trabalho vem de pessoas que não estão na atual diretoria do São Paulo. "Tem pessoas que não são da própria diretoria e não ficam contente de estar fora. Às vezes não é bom falar neles. Tem que falar de quem merece".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.