Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Esportes

Esportes » Na estreia de Lugano, São Paulo não empolga, mas bate Rio Claro

Futebol

Divulgação

Na estreia de Lugano, São Paulo não empolga, mas bate Rio Claro

Antes da bola rolar, torcida fez protesto na frente do Pacaembu

0

DANIEL BATISTA,
O ESTADO DE S. PAULO

21 Fevereiro 2016 | 19h00

O dia seria de festa para Lugano, que retornou ao clube dez anos depois. O que se viu foi um São Paulo burocrático, que jogou diante de seu pior público na temporada e a decepção só não foi completa porque o companheiro de defesa achou um gol. Assim, o time tricolor conseguiu derrotar o Rio Claro por 1 a 0, no Pacaembu, dando ainda mais razão para a torcida criticar e cobrar mudanças.

Antes da bola rolar, a torcida fez protesto contra a diretoria e alguns jogadores, principalmente Michel Bastos (leia mais abaixo). Dentre outro motivos o meia teve uma divergência com Lugano, estreante de ontem e que parecia se sentir em casa.

O uruguaio era uma das poucas coisas (ou única) que o são-paulino poderia se animar em ver ontem. Quando estava para entrar no gramado, o zagueiro brincou com um garoto que entrou no campo com ele e depois foi abraçar o zagueiro Alex Silva, ex-companheiro de São Paulo em sua primeira passagem pelo clube.

Com a bola rolando, o time tricolor parecia travado e muito ansioso no ataque. Já Lugano, a cada passe dado, a torcida comemorava como um gol. O Rio Claro, limitado tecnicamente, deixava muito espaço nas laterais e esse foi o caminho encontrado pelo time da casa para chegar.

O técnico Edgardo Bauza escalou Carlinhos no meio de campo, no lugar de Michel Bastos, e a alteração fez com que o time ganhasse força ofensiva na esquerda. Na direita, Bruno também teve oportunidades de chegar livre, mas nenhum doa dois conseguiu acertar o pé.

Ganso flutuava pelo meio da área, em busca do passe na medida para Calleri, que não aconteceu. Outra opção seria Centurion. O argentino mais uma vez nada acrescentou ao time, errou passes simples e fez com que a opção de Bauza em mantê-lo na equipe, se torne cada dia mais incompreensível.

Vendo a dificuldade do adversário em sair jogando, o São Paulo avançou a marcação e passou a pressionar no campo de ataque. Foram pelo menos duas falhas que quase resultaram no gol tricolor. 

O problema, porém, foi que a frágil defesa são-paulina ficou ainda mais exposta com tamanha ofensividade e Rio Claro começou a colocar as mangas de fora e ver que poderia surpreender e afundar ainda mais o adversário na crise. Mas faltava qualidade aos atacantes da equipe interiorana.

No segundo tempo, o Rio Claro era quem apertava a marcação e quase Denis deu um gol de presente. Pouco depois do susto, a redenção de quem foi alvo de críticas durante a semana.

Salvador. Rodrigo Caio, chamado de “Jogador de Condomínio” pelo assessor da presidência, Rodrigo Gaspar, aproveitou cobrança de falta de Carlinhos para a área e de cabeça abriu o placar. Na comemoração, os jogadores foram abraçar Lucão, outro alvo dos torcedores e que estava como opção no banco de reservas.

O gol poderia ser o início de uma nova postura, mas não foi. A impressão é que o gol foi um mero acaso e a torcida sentiu isso. As vaias voltaram e os gritos pedindo a entrada de Rogerio e a saída de Centurion só aumentaram.

Bauza atendeu parte do pedido e tirou o inoperante argentino, mas colocou Wesley e ouviu os primeiros, mas tímidos gritos de “Burro”. A alteração acabou dando certo. Wesley entrou bem, dando maior movimentação ao ataque. Só faltou caprichar na pontaria. Pouco depois, o xodó da torcida, Rogério, também entrou, mas pouco acrescentou.

No fim, o resultado acabou sendo justo. Venceu um time que esteve longe de fazer uma brilhante partida, mas pelo menos mostrou vontade e criou chances.

 

FICHA TÉCNICA

 

SÃO PAULO: Denis; Bruno, Lugano, Rodrigo Caio e Mena; Hudson, Thiago Mendes, Carlinhos (João Schmidt), Ganso (Rogério) e Centurion (Wesley); Calleri

Técnico: Edgardo Bauza

 

RIO CLARO: Lucas; Luis Felipe, Alex Silva, João Gabriel e Felipe Saturnino; Maurício, Jean Patrick (Elsinho), Léo Costa (Fabrício) e Thiago Cristian (Joãozinho); Lucas Xavier e Romarinho

Técnico: Sérgio Guedes

GOL: Rodrigo Caio, aos 5 do 2º Tempo

CARTÕES AMARELOS: Leo Costa, Thiago Cristian, Maurício e Lugano

PÚBLICO: 7.066 pessoas

RENDA: R$ 315.060,00

JUIZ: José Claudio Rocha Filho

Comentários