Marcello Zambrana/Estadão
Marcello Zambrana/Estadão

'Não temos o direito de relaxar ou estaremos de novo falando de Z-4', diz Dorival

Técnico do São Paulo vê time focado e ciente de que risco de queda no Brasileirão ainda existe

Matheus Lara, O Estado de S.Paulo

10 Outubro 2017 | 07h00

O equilíbrio neste momento do Campeonato Brasileiro, em que apenas três pontos separam times da parte de cima da tabela dos da zona de rebaixamento, mantém o São Paulo em alerta. Com 31 pontos na 14ª posição, o time tem apenas um ponto a mais que Sport e Avaí, que abrem o Z-4. Para o técnico Dorival Junior, ainda não há o que comemorar no Morumbi.

Dorival diz que Júnior Tavares está mais responsável na marcação

“Ter saído da zona de rebaixamento não lhe dá direito de achar que já alcançou o que queria”, avalia o treinador. “Não dá para comemorar, despreocupar, relaxar, nada que altere nosso comportamento, ou na semana que vem estaremos novamente falando de Z-4”.

Dorival quer concentração e seriedade e diz esperar um grande jogo na quarta-feira, diante do Atlético-MG, em Belo Horizonte. O time viaja nesta terça à capital mineira. "Será um confronto muito difícil e um resultado positivo seria muito importante para a sequência. Precisamos de resultados que confirmem os bons resultados anteriores. Para isso, teremos de trabalhar muito, com concentração e seriedade."

Para o treinador, ainda não é hora nem de pensar em reforços para 2018. Ele revelou já ter tido uma rápida conversa com a diretoria tricolor, mas afirmou que nenhuma decisão foi tomada. "Tivemos reunião sobre assuntos gerais. Dificilmente teremos um novo contato enquanto estivermos nessa situação delicada (no Nacional). É muito cedo para falar em elenco. Teremos muitos jogos e treinos para observar com mais tranquilidade e, a partir daí, no futuro, buscarmo uma equipe mais composta e forte."

O técnico evitou falar de possíveis negociações entre o clube e nomes como Iago Maidana, Fernando Bob e até Kaká, que ainda não renovou contrato com o Orlando City. "O Maidana vem fazendo um bom campeonato, estamos acompanhando, mas não tem definição nenhuma. Assim como o Kaká, que tem uma história muito bonita no clube. Só pensaremos nessas situações depois que sairmos da situação em que estamos. Anterior a isso, não temos a mínima condição de tentar planejar o ano seguinte."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.