Nas oitavas da Libertadores, Renato exalta boa fase do Grêmio

Técnico descarta grandes reforços para a sequência da Libertadores

Estadão Conteúdo

26 Maio 2017 | 10h10

O técnico do Grêmio, Renato Gaúcho, disse que está satisfeito com o atual elenco do time, a terceira melhor campanha da Libertadores na fase de grupos, e deu a entender que não vai pressionar a diretoria para a contratação de reforços para as próximas disputas. Além das oitavas da Libertadores, o time gremista está na disputa da Copa do Brasil e figura na ponta do Campeonato Brasileiro.

"A fase de grupos (da Libertadores) não é mais fácil. Não tem jogo fácil. Eu sempre elogiei meu grupo. É muito bom, muito forte. Quanto aos reforços, cabe à diretoria decidir. Se tiver que trazer, tem que trazer o jogador certo, mas isso fica por conta da diretoria. Eu estou satisfeito com meu grupo", disse o treinador, em entrevista coletiva depois da goleada sobre o Zamora por 4 a 0, em Porto Alegre, na última quinta-feira à noite.

Renato ainda elogiou a atuação da equipe contra o time venezuelano e disse que o Grêmio poderia ter feito até sete gols. "Poderíamos ter feito mais dois ou três gols pelas chances que tivemos. A gente entende que o adversário era um pouco frágil, mas procuramos fazer nossa parte de qualquer forma. Agora, vamos aguardar o sorteio (que decide as partidas das oitavas de final) para ver quem vamos pegar lá na frente".

Classificado na Libertadores, o Grêmio volta a campo no próximo domingo pela terceira rodada do Campeonato Brasileiro. Líder do torneio com duas vitórias seguidas, o time gaúcho enfrenta o Sport às 18 horas, na Ilha do Retiro, em Recife.

Depois disso, a equipe viaja ao Rio de Janeiro para o segundo confronto contra o Fluminense pelas oitavas de final da Copa do Brasil. O time entra em campo no Maracanã às 19h30 da próxima quarta-feira com a vantagem de 3 a 1 conquistada no jogo de ida, em Porto Alegre, na semana passada.

Mais conteúdo sobre:
futebol Grêmio Libertadores Renato Gaúcho

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.