Nelsinho não contesta a derrota

Até o São Paulo reconheceu a superioridade do Corinthians. Do técnico Nelsinho Baptista ao jogador mais humilde, ninguém contestou a derrota de hoje em Presidente Prudente. Nelsinho não quis nem usar o cansaço como justificativa. "O desgaste do jogo de quinta-feira em Florianópolis pode ter atrapalhado mas não foi por isso que perdemos o jogo. O São Paulo não ganhou porque não apresentou a qualidade que tinha antes dessa sequência de derrotas", acrescentou o treinador. Nelsinho reconhece também que a derrota coloca o São Paulo numa situação complicada no torneio Rio-São Paulo. Hoje mesmo, ainda no vestiário, ele procurou acalmar os seus jogadores, lembrando que alguns jogos da rodada favoreceram a sua equipe. "Mesmo com a derrota, ainda continuamos em terceiro lugar. Temos dois jogos e mais seis pontos a disputar (o Santos provavelmente no Interior e o Americano no Morumbi). Se ganharmos quatro pontos estaremos classificados". Embora os dois gols de Renato - que definiram a vitória do Corinthians - tenham saído no segundo tempo, Nelsinho creditou a derrota ao mau desempenho do São Paulo no primeiro tempo. "Ao contrário do Corinthians, que soube trabalhar a bola e não teve pressa para chegar ao gol, o São Paulo errou muito também nas finalizações. Acho que tivemos até mais chances de gol que o adversário se formos considerar os 90 minutos. Mas o nosso erro principal foi não ter aproveitado o momento favorável da nossa equipe quando chegamos ao empate. Tivemos uma boa melhoria mas depois voltamos a ceder terreno ao Corinthians". Apesar das críticas à sua equipe, Nelsinho também procurou elevar a autoestima de seus jogadores ainda no vestiário. A maior preocupação é fazer com que a derrota de hoje - a quarta consecutiva - não atrapalhe o desempenho da equipe no jogo de quarta-feira, contra o Figueirense, no Morumbi, pela Copa do Brasil. Como o São Paulo perdeu em Florianópolis por 3 a 1, agora terá de vencer por uma diferença de no mínimo dois gols. "O que passou, passou. O melhor a fazer é esquecer o que aconteceu hoje aqui, até porque não há mais como mudar. Contra o Figueirense, o time tem a obrigação de vencer por uma diferença de dois gols e é para isso que vamos trabalhar". Nelsinho ainda explicou que só escalou o jovem Daniel porque Maldonado não estava se sentindo bem. Gripado, o volante chileno passou a noite toda com febre. Não tinha a menor chance de jogar, de acordo com o técnico. Os jogadores do São Paulo saíram de campo nervosos, alguns até discutiram entre si. A grande maioria só aceitou conversar com a imprensa depois do banho e do ´sermão´ de Nelsinho no vestiário. No fim, todos acabaram admitindo a superioridade do Corinthians. "O por que disso é que eu não saberia explicar", observou o zagueiro Wílson. Já o lateral Gabriel nem quis usar o cansaço como desculpa. "Eu mesmo, que sou um dos mais jovens da equipe, também senti um pouco. A grama também estava alta e dificultou ainda mais. Só que eu não vou usar isso como desculpa. O São Paulo não acertou uma grande partida, demos muito espaço ao Corinthians principalmente no primeiro tempo. Isso foi fatal". De sua parte, o zagueiro Émerson - que acertou o tornozelo direito de Ricardinho e foi criticado pelo meia corintiano - fez questão de se desculpar por meio dos jornalistas. "Não é verdade que estava nervoso por causa do Gil. Sou um jogador leal. Foi um lance de jogo, não queria machucar o Ricardinho. Se o machuquei, peço desculpas a ele".

Agencia Estado,

31 Março 2002 | 19h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.