Assine o Estadão
assine

Esportes

Corinthians

Nervoso, Corinthians faz 2º tempo péssimo e perde de virada do Cerro Porteño

Alvinegro leva 3 a 2 e termina rodada no 2º lugar no Grupo 8 da Libertadores

0

Vítor Marques,
O Estado de S. Paulo

09 Março 2016 | 21h43

Um péssimo segundo tempo enterrou o Corinthians em Assunção: duas expulsões e uma virada em 45 minutos. Em vez de confirmar uma vitória diante do Cerro Porteño, o time de Tite perdeu por 3 a 2, nesta quarta-feira, no Defensores del Chaco. Foi a primeira derrota na Libertadores e a primeira com a equipe considerada titular em campo.

A sensação é amarga: afinal, a classificação poderia ter ficado bem encaminhada. O Corinthians terminou o primeiro tempo vencendo o jogo por 1 a 0. Mas dois lances capitais na saída do segundo tempo mudaram o rumo da partida. Com nove jogadores contra 11, desmoronou o esquema de Tite.

O resultado foi péssimo porque fez com que o Cerro pulasse para a liderança do Grupo 8, com sete pontos. O Corinthians tem seis na vice-liderança. A vantagem do time de Tite é que, dos nove pontos em disputa, seis (duas partidas) serão jogados em Itaquera.

O primeiro vacilo: aos três minutos do segundo tempo, Uendel não evitou o cruzamento de Leal e a bola chegou a Beltrán, que ganhou de Felipe e empatou a partida. O problema foi que, aos seis minutos, André, o autor do gol corintiano, recebeu o segundo amarelo e foi expulso corretamente.

A partir daí o jogo desandou. Nervoso, os jogadores do Corinthians passaram a cometer faltas duras. Rodriguinho também conseguiu levar dois cartões amarelos no segundo tempo e foi expulso. Guilherme só não recebeu cartão vermelho porque o juiz foi complacente.

Sem poder de marcação, o Corinthians ruiu. Nem as alterações de Tite conseguiram segurar o apetite do Cerro Porteño, que estava em crise e poderia até demitir seu treinador se fosse derrotado. Díaz, melhor jogador da partida, fez 2 a 1 aos 29 minutos, quando o Corinthians já estava com nove em campo.

Entregue, o Corinthians sofreu o terceiro. E poderia ter sofrido mais. O pênalti convertido por Giovanni Augusto, aos 42 minutos, diminuiu o placar.

O 3 a 2 só comprova que o resultado poderia ter sido outro. Porque no primeiro tempo o Corinthians fazia seu melhor jogo na Libertadores. Ao menos em número de chances criadas. Nos primeiros 45 minutos, o time de Tite criou jogadas suficientes para construir um placar melhor. O meio de campo trabalhou bem, envolveu o Cerro (muito na base da velocidade) e buscou o gol.

André, então, foi a referência. Ele não se limitou a atuar como um pivô, buscou o jogo e se movimentou (e mostrou habilidade e deu até uma caneta em um marcador). O gol marcado aos 13 minutos foi um prêmio. Como um bom artilheiro, aproveitou a falha do goleiro Anthony Silva, que soltou uma falta cobrada por Lucca.

Ficar à frente do placar foi primordial para o Corinthians, que enfrentou uma pressão inicial do Cerro no Defensores del Chaco. A primeira chance de gol do jogo, por exemplo, foi dos paraguaios, que não abriram o placar graças a Cássio.

Alerta com a atuação de Sergio Díaz, Tite tentava corrigir os problemas defensivos de sua equipe. O lado direito se mostrava vulnerável e deixava espaços entre o lateral e o zagueiro.

Tite tenta corrigir os problemas da defesa antes mesmo dos 15 minutos iniciais - o setor direito, com Fagner, era o mais vulnerável. Após o gol de André, o Cerro se desestabilizou e deixou espaços na defesa. O Corinthians cresceu. Pressionou e buscou o gol: bola na trave e uma chance incrível desperdiçada por André. Esses gols fizeram uma falta e tanto.

Até porque veio o segundo tempo e os erros, somado ao descontrole dos jogadores, acabaram por liquidar o Corinthians.

No outro jogo disputado pelo Grupo 8 nesta quarta-feira, o Santa Fe venceu o Cobresal por 2 a 1, no Chile, e chegou aos quatro pontos na terceira posição do Grupo 8. Já o time chileno, com três derrotas em três jogos, segue na lanterna da chave.

Na próxima quarta-feira, o Corinthians receberá o Cerro Porteño no Itaquerão para recuperar a ponta do Grupo 8, o que só será possível com uma vitória.

FICHA TÉCNICA

CERRO PORTEÑO 3 X 2 CORINTHIANS

CERRO PORTEÑO - Anthony Silva; Carlos Bonet, Víctor Mareco, Bruno Valdez e Junior Alonso (Estigarribi); Fidencio Oviedo, Jorge Rojas, Rodrigo Rojas (Torales) e Sergio Díaz; Luís Leal e Beltrán (Ortigoza). Técnico: César Faria.

CORINTHIANS - Cássio; Fagner, Felipe, Yago e Uendel; Bruno Henrique; Giovanni Augusto, Rodriguinho, Guilherme (Romero) e Lucca (Balbuena); André. Técnico: Tite.

GOLS - André, aos 13 minutos do primeiro tempo; Beltrán, aos 3, Diáz, aos 29, Beltrán, aos 37, e Giovanni Augusto, aos 42 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO - Diego Haro (PER).

CARTÕES AMARELOS - Lucca, Rodrigo Rojas e Guilherme.

CARTÕES VERMELHOS - André e Rodriguinho.

PÚBLICO E RENDA - não disponíveis.

LOCAL - Defensores del Chaco, em Assunção (PAR).

Mais conteúdo sobre:

Comentários