1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Ney Franco retorna ao Vitória três meses após demissão

Técnico substitui Jorginho, demitido na madrugada desta quinta-feiradepois de ficar apenas dez jogos no cargo

O Vitória acertou na tarde desta quinta-feira a contratação do técnico Ney Franco, cerca de três meses depois de ele ter pedido para ir embora do clube. O retorno agora é para substituir Jorginho, demitido durante a madrugada, após a derrota por 2 a 0 para o Coritiba.

No começo de maio, Ney Franco pediu demissão e surpreendeu a diretoria do Vitória. Na ocasião, ele tinha proposta para assumir o comando do Flamengo. Mas não durou muito tempo no clube carioca, sendo demitido no dia 23 de julho - desde então, está desempregado.
Apesar dessa saída repentina, o Vitória recorreu a Ney Franco quando decidiu trocar de técnico. Jorginho foi demitido na madrugada desta quinta-feira, depois de ficar apenas dez jogos no cargo, somando duas vitórias, quatro empates e quatro derrotas. 

Ney Franco foi demitido do Flamengo em julho
Ney Franco foi demitido do Flamengo em julho

Jorginho tinha sido contratado justamente para substituir Ney Franco. Mas não resistiu aos resultados ruins, que deixaram o Vitória na penúltima colocação do Brasileirão, com apenas 15 pontos em 16 rodadas - a gota d''água foi a derrota em Curitiba.

Como está no Chile, Ney Franco assume o cargo no Vitória apenas na segunda-feira. Assim, o time deve ser comandado pelo técnico interino Éder Bastos no jogo deste domingo, contra o Figueirense, no Barradão, em Salvador, pela 17.ª rodada do Brasileirão.

Na passagem anterior pelo Vitória, entre setembro de 2013 e maio de 2014, Ney Franco disputou 47 jogos, com 22 vitórias, 16 empates e nove derrotas. Agora, ele retorna com contrato até o final do ano, com o objetivo de evitar o rebaixamento para a Série B.

"Optamos pelo treinador Ney Franco pelo seu conhecimento do elenco atual e pela confiança da diretoria em seu trabalho", afirmou o presidente do Vitória, Carlos Sérgio Falcão, ao justificar a contratação do técnico que tinha pedido demissão três meses antes.