AFP
AFP

Neymar mira troféu de melhor do mundo em 2018

Craque do PSG esperar chegar ao topo do mundo na próxima temporada

Jamil Chade, enviado especial a Londres, O Estado de S.Paulo

23 Outubro 2017 | 10h30

O entorno de Neymar sabe que a festa de premiação da Fifa para o melhor jogador do mundo, em Londres, nesta segunda-feira não é dele. Mas sua presença ali entre os três primeiros é um recado claro: um ciclo pode estar se fechando e outro sendo aberto. O jogador, seus assessores e mesmo aqueles que o ajudam a planejar suas carreiras visam 2018 como o ano em que o brasileiro deixará a festa da Fifa como o vencedor.

Neymar já esteve uma vez entre os três melhores e o objetivo inicial era de que, com a conquista da Copa de 2014, o prêmio de melhor do mundo viria com naturalidade. Nem o hexa e nem o prêmio chegaram.

Agora, mais maduro e num clube onde ele é o camisa 10, a esperança do jogador é de que 2018 seja seu ano. Para isso, precisa também realizar uma Copa do Mundo exemplar. “Ciclos vão se encerrando e outros vão sendo abertos”, disse Marcos Motta, advogado que intermediou a maior contratação da história do futebol. “E o novo ciclo é Neymar”, garantiu.

Por enquanto, a decisão do brasileiro de deixar o Barcelona e apostar num clube em que seria a estrela principal está dando resultados. Na Liga dos Campeões, o PSG é líder de seu grupo com três vitórias e três jogos. Fez doze gols, não sofreu nenhum e já começa a ser chamado de o melhor time europeu da atualidade. Na liga francesa, o clube é líder e Neymar o jogador que mais assistências deu no campeonato. O brasileiro ainda tem uma média de quase um gol por partida.

O brasileiro ainda pode entrar na lista dos onze melhores do ano, o que a Fifa considera como a "seleção de 2017". Outros sete brasileiros concorrem também por um lugar nesse time.

Zinedine Zidane (campeão espanhol e da Champions League), Massimiliano Allegri (campeão italiano e vice da Liga dos Campeões) e Antonio Conte concorrem ao prêmio de melhor treinador.

Uma ausência importante é a de Marta, recordistas de prêmios entre as mulheres. Ela não ficou nem mesmo entre as dez primeiras colocadas.

A Fifa ainda escolherá o gol mais bonito do ano. Mas, entre os dez candidatos, não há brasileiros entre os finalistas. Numa nova categoria, a Fifa escolherá o melhor goleiro do mundo. O prêmio ficará entre Gianluigi Buffon, Keylor Navas e Manuel Neuer.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.