Neymar será o 11º camisa 10 do Brasil e tenta quebrar jejum

Rivaldo, em 2002, foi o último jogador da seleção brasileira com a 10 às costas a marcar gol em Copas; confira lista com todos os craques

Diego Salgado, O Estado de S. Paulo

12 Junho 2014 | 07h00

"É uma honra usar a 10 de muitos outros grandes jogadores do Brasil". As palavras de Neymar mostram o tamanho da responsabilidade que o craque brasileiro terá a partir desta quinta-feira, contra a Croácia, na abertura da Copa do Mundo. O jogador, que disputará seu 50.º jogo pela seleção brasileira, será o 11.º camisa 10 do Brasil em Mundiais. 

Com exceção de Pelé, que vestiu a 10 com apenas 17 anos na Copa de 1958, Neymar será o mais jovem da lista a atuar na competição com o número às costas. Zico, por exemplo, tinha 29 anos no Mundial de 1982, quando comandou a seleção de Telê Santana. Rivellino, em 1974, tinha 28.

O primeiro camisa 10 da seleção em Copas foi Jair Rosa Pinto, um dos craques do time de 1950 - na Copa, surgiu a numeração dos jogadores. Quatro anos depois, na Suíça, a honra coube ao atacante Pinga. 

Depois das dinastias de Pelé (1958, 1962, 1966 e 1970), Rivellino (1974 e 1978) e Zico (1982 e 1986), Silas e Raí vestiram a camisa 10 nas Copa de 1990 e 1994, respectivamente. Os jogadores, no entanto, passaram mais tempo na reserva.

JEJUM

Os últimos dois camisas 10, Kaká (2010) e Ronaldinho Gaúcho (2006), passaram um branco e não conseguiram marcar gols nos jogos da competição. O último a marcar foi Rivaldo, que fez cinco na campanha do penta em 2002 - o derradeiro contra a Inglaterra, nas quartas de final. O meia também vestiu a 10 na Copa de 1998.

Confira todos os camisas 10 do Brasil até a Copa 2014:

Jair

O primeiro camisa 10 do Brasil em Copas jogou cinco vezes no Mundial de 1950 e marcou dois gols - na estreia contra o México (4 a 0) e na goleada sobre a  Espanha no quadrangular final da competição (o segundo gol). Era um dos craques do time de Flávio Costa. 

Pinga

O atacante Pinga, do Vasco, vestiu a 10 no Mundial de 1954. Logo na estreia, fez dois gols contra o México, na vitória por 5 a 0. Após o empate por 1 a 1, o  jogador não entrou em campo na derrota por 4 a 2 para a Hungria, nas quartas de final.

Pelé

O Rei do Futebol jogou com a camisa 10 na Copa de 1958 por obra do destino. Com 17 anos, marcou seis vezes na campanha do primeiro título mundial. É o único  jogador da história tricampeão do mundo. Defendeu a seleção em 14 partidas, nos Mundiais de 1958, 1962, 1966 e 1970, e marcou 12 gols.

Rivellino 

Camisa 11 na Copa de 10, Rivellino herdou a 10 de Pelé nos Mundiais de 1974 e 1978. Líder do time nas duas campanhas brasileiras na Alemanha e na Argentina,  o craque disputou 15 partidas e fez seis gols em Copas.

Zico

O grande futebol da seleção apresentado em 1982 passa pelos pés de Zico, que jogou com a camisa 10 as Copas da Espanha e do México. Incluindo a Copa de 1978,  o ex-meia do Flamengo entrou em campo 14 vezes e marcou cinco gols.

Silas

Talvez o camisa 10 menos lembrado pelos torcedores. Na Copa de 1990, acabou na reserva do time de Sebastião Lazaroni, entrando já na reta final de três jogos  da campanha. 

Raí

O ex-meia do São Paulo era titular da seleção brasileira na Copa de 1994 e até marcou um dos gols da vitória sobre a Rússia por 2 a 0. No jogo seguinte,  entretanto, Raí perdeu espaço para Mazinho. Jogou com a 10 em cinco jogos da campanha do tetra (quatro como reserva).

Rivaldo

A camisa 10 chegou às mãos de Rivaldo na Copa de 1998, na França, quando o meia-atacante marcou três gols nos sete jogos do Brasil. Quatro anos depois, na Ásia, Rivaldo brilhou ainda mais, marcou cinco gols, e foi essencial para a conquista do pentacampeonato.

Ronaldinho Gaúcho

Na Copa 2002, Ronaldinho marcou dois gols quando jogava com a camisa 11. Em 2006, no Mundial da Alemanha, o craque não fez boas apresentações e, sem gols,  naufragou junto com a seleção de Carlos Alberto Parreira.

Kaká

O último camisa 10 antes de Neymar também não conseguiu marcar seu gol na Copa de 2010. Contra a Costa do Marfim, fez ótima jogada para que Elano marcasse o terceiro gol brasileiro.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.