Nilmar promete ser decisivo e quebrar jejum de gols

Esta quinta é dia de Nilmar. Há três jogos sem marcar gols, fato inédito no ano, ele está confiante em acabar com esta marca negativa e em ajudar o Corinthians a chegar às quartas-de-final da Libertadores. Sua motivação aumentou muito após tomar conhecimento ontem de duas entrevistas. A do técnico Carlos Alberto Parreira, no Rio, admitindo levar o atacante para a Copa do Mundo e a de Kia Joorabchian, presidente da MSI, afirmando que sua contratação junto ao Lyon, da França, já está consumada. ?Seleção cria uma expectativa grande. Sei que é complicado, falta pouco tempo, mas não custa nada sonhar?, afirmou, com largo sorriso após saber das palavras de Parreira. ?Será o jogo da nossa vida. A hora de jogar pelo time, torcida, por nossa família. Nunca fui de prometer gols, porém...?, seguiu. Com atuação pífia no duelo de ida, semana passada na Argentina, Nilmar sabe estar em dívida com a torcida. Mesmo sendo o artilheiro do time no ano com 22 gols marcados, ele acha que pode render mais. E, a partir desta quinta, deixa crer que um novo atacante surgirá. Ciente da retranca argentina, acredita que desmorona o esquema armado por Daniel Passarella, com suas arrancadas em velocidade e seus dribles, marca registrada e bem realizada nos jogos do Paulista. Nilmar inspirado, certeza de gols? ?Pode ser, mas não posso pensar apenas em mim. Já marquei muitos gols e o time perdeu. Sensação ruim. Prefiro a classificação, com gol de qualquer um, até do Sílvio Luiz (goleiro)?, exagera na humildade. Às vezes Nilmar mescla o clima contagiante do elenco com discurso pés no chão, de respeito, que o adversário é forte e blábláblá. Mede as palavras para não provocar o River Plate, receber atenção especial de um zagueiro e mais uma vez passar em branco. Sua sede de gols, entretanto, muitas outras vezes é maior e aí surge o atacante que o corintiano quer ver. Ligado, raçudo. ?Claro, ir longe na Taça Libertadores significa entrar para a história do clube e dá um impulso grande para a seqüência de nossa carreira?, lembra. Esta gana será colocada à prova nesta quinta. O camisa 9 demonstra disposição até para bater pênalti. Mesmo perdendo dois no treino, garante não decepcionar. ?Pegarei a bola e quero ver quem tira de mim.?

Agencia Estado,

03 Maio 2006 | 20h08

Mais conteúdo sobre:
libertadores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.