Gilvan de Souza/Flamengo
Gilvan de Souza/Flamengo

No Flamengo, Arão minimiza 'hostilidade' da torcida do Botafogo antes de clássico

Foi com a camisa alvinegra que o jogador ganhou destaque em 2015

Estadao Conteudo

31 Maio 2017 | 17h06

O volante Willian Arão terá mais um reencontro com a torcida do Botafogo no clássico deste domingo, pelo Campeonato Brasileiro. Foi com a camisa alvinegra que o jogador ganhou destaque em 2015, mas a forma que se transferiu para o Flamengo no ano seguinte fez com que ganhasse o ódio da torcida e passasse a ser hostilizado.

É justamente esta recepção que ele espera dos botafoguenses no fim de semana, mas isso não parece o incomodar. "Todo clássico é diferente, não é só mais uma partida. Sabemos que em todo clássico a atmosfera é diferente. Sempre estive à vontade, apesar das hostilidades que recebi, mas isso é natural", declarou nesta quarta-feira.

A animosidade dos botafoguenses com Arão acontece em um momento no qual a rivalidade da torcida alvinegra com a flamenguista ganha força. Em fevereiro, houve confrontos entre as torcidas e um grupo de rubro-negros matou um torcedor rival.

"Acho que nos últimos tempos vem se aflorando mais essa disputa, mas por minha parte sempre foi sadia e com muito respeito. No domingo não vai ser diferente. Vou lutar como se fosse pelo meu último prato de comida e brigar por todas as bolas para conseguirmos sair com a vitória", garantiu Arão.

Para o confronto deste domingo, o Flamengo pode contar com novidades. Os meias Diego, Dario Conca e Everton voltaram a treinar com bola durante a semana e podem atuar. No caso do argentino, representaria sua estreia com a camisa rubro-negra. E Arão não escondeu a ansiedade de contar com estes companheiros.

"Obviamente ainda não estão nos 100% deles, mas se tiverem chance de entrar na partida, caso se sintam bem e confiantes, tenho certeza que entrarão em campo e poderão nos ajudar. São peças importantíssimas para o nosso esquema tático", avaliou o volante.

Mais conteúdo sobre:
Futebol futebol Flamengo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.