"Novatos" do São Paulo não temem responsabilidade

A falta de experiência internacional não assusta o volante Ramalho e o meia Lenílson, candidatos a uma vaga de titular no time do São Paulo na partida desta quarta-feira, contra o Estudiantes, pelas quartas-de-final da Libertadores. "Nunca joguei na Argentina nem contra times argentinos, mas futebol é igual em qualquer lugar do mundo: quem fizer mais gols ganha", diz Ramalho, provável substituto de Josué, que embarcou com o grupo para a Argentina na manhã desta terça-feira, mas dificilmente terá condições de jogo. O próprio jogador afirmou que não fará loucuras. "Não existe isso de sacrifício, só jogo se estiver 100%", afirmou. Novato até mesmo no São Paulo, Lenílson, que disputou o Paulistão pelo Noroeste e estreou no domingo, com gol na vitória sobre o Corinthians, também não teme a responsabilidade de entrar no ataque - o titular Aloísio é dúvida, Leandro está suspenso e Thiago e Ricardo Oliveira ainda se recuperam de lesão. "Vamos atuar nas mesmas características de sempre, marcando na frente e buscando o gol. Não podemos abdicar de nossa principal virtude", afirmou Lenílson. O São Paulo treina no fim da tarde desta terça-feira em Quilmes, local do jogo de quarta. A partida será no mesmo estádio onde, em 2005, o atacante Grafite sofreu ofensas racistas de várias jogadores do Quilmes, entre eles o zagueiro Desábato, que depois seria preso, após o jogo do Morumbi, por repetir as ofensas.

Agencia Estado,

09 Maio 2006 | 13h29

Mais conteúdo sobre:
libertadores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.