Ennio Leanza/AP
Ennio Leanza/AP

Oceania apoia candidatura de países da América do Norte à Copa do Mundo de 2026

México, Canadá e Estados Unidos podem ter período sem concorrência até 2018

Estadao Conteudo

18 Abril 2017 | 11h30

Os 11 países que compõem a Confederação da Oceania de Futebol anunciaram nesta terça-feira que apoiam a candidatura conjunta de Estados Unidos, Canadá e México para sediar a Copa do Mundo de 2026, até agora a única apresentada para organizar a competição.

A entidade também destacou aprovar que essa candidatura tenha "um período exclusivo de negociações" com a Fifa até o próximo ano. As 211 federações da Fifa devem decidir em 11 de maio se permitirão que os vizinhos da América do Norte tenham um período até 2018 sem adversários para mostrarem que a sua candidatura é tecnicamente sólida.

A oferta de Estados Unidos, Canadá e México é considerada, até agora, a única opção realista para a edição de 2026 da Copa do Mundo, que será expandida para 48 seleções. As regras da Fifa impedem que países da Europa e da Ásia se candidatem a receber o torneio pois seus membros receberão as edições anteriores da competição - o torneio de 2018 será na Rússia e o de 2022 está marcado para o Catar.

Assim, países da América do Sul e África podem competir com a proposta da América do Norte, embora a Argentina e o Uruguai, que foi o anfitrião da primeira Copa do Mundo, em 1930, estão focados em um torneio centenário em 2030. Considera-se que a África carece de instalações, mesmo para uma proposta conjunta que lhe permita organizar um torneio expandido para 48 seleções, o que aumenta as demandas sobre estádios, campos de treinamento, hotéis e transporte.

"A rotação faz sentido", disse David Chung, o vice-presidente para a Oceania da Fifa, comentando a real possibilidade de a Copa do Mundo de 2026 ser realizada na América do Norte pela primeira vez desde 1994, quando o torneio foi sediado nos Estados Unidos.

Mais conteúdo sobre:
futebol Copa do Mundo Fifa

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.