Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Esportes

Esportes » Operário morre na Arena Amazônia em mais um acidente em obras da Copa

Futebol

Patrulha da Cidade

Esportes

Copa 2014

Operário morre na Arena Amazônia em mais um acidente em obras da Copa

Fatalidade ocorrida nesta sexta-feira foi confirmada pela UGP Copa do Amazonas

0

Luciana Dias e Paulo Favero,
O Estado de S. Paulo

07 Fevereiro 2014 | 16h39

SÃO PAULO - A Unidade Gestora do Projeto Copa (UGP Copa) de Manaus confirmou a morte do funcionário Antônio José Pita Martins, de 55 anos e que trabalhava nas obras da Arena da Amazônia, uma das sedes da Copa do Mundo de 2014. O boletim médico divulgado pelo Hospital João Lúcio, em Manaus, informou que o operário morreu na mesa de cirurgia. Com essa fatalidade já são oito mortes em obras do torneio, sendo seis ligadas diretamente a acidentes de trabalho: três na Arena Amazônia, outras duas na Arena Corinthians, em São Paulo, e uma no Mané Garrincha, em Brasília.

Os outros dois casos que ocorreram em obras da Copa do Mundo foram em decorrência de problemas cardíacos: Abel de Oliveira, que faleceu em junho de 2012 ao passar mal no canteiro de obras do Mineirão, em Belo Horizonte, e José Antônio do Nascimento, morto pelo mesmo motivo enquanto trabalhava na construção da Arena Amazônia, estádio que tem previsão de entrega para o dia 14 de fevereiro.

Segundo informações preliminares, uma peça de ferro de um guindaste caiu na cabeça do operário. Ele sofreu vários ferimentos e um traumatismo profundo no crânio. Outros dois funcionários passaram mal e também estão sob atendimento médico. Pita Martins era funcionário da Martifer, empresa que venceu a licitação para montar os arcos metálicos da cobertura do estádio.

De acordo com funcionários da obra, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) demorou de 15 a 20 minutos para chegar ao local do acidente e o operário ferido foi socorrido por colaboradores de uma Unidade Móvel particular. O homem foi levado ao hospital, mas não resistiu aos ferimentos.

No final da tarde, tanto o governo do Amazonas quanto a empresa Martifer divulgaram notas de pesar sobre a morte do operário.

POSIÇÃO DO GOVERNO

O Governo do Amazonas lamenta o falecimento do técnico Antonio José Pita Martins, que não resistiu aos ferimentos provocados por um acidente com um guindaste nas imediações do Sambódromo, na manhã desta sexta-feira, 7 de fevereiro. A empresa Martifer, para qual o técnico prestava serviço, assegurou ao Governo do Estado que prestará toda assistência à família de Antonio. Segue, abaixo, nota da Martifer sobre o ocorrido. Mais abaixo, encaminhamos o boletim médico divulgado pelo Hospital e Pronto Socorro Dr. João Lúcio Pereira Machado.

NOTA DA CONSTRUTORA

A Martifer Construções Metalomecânicas SA com muito pesar, informa que, por volta das 8h da manhã de hoje, 07/02/2014, um técnico de guindaste de grande porte, funcionário da empresa, sofreu um acidente nas dependências do sambódromo enquanto desmontava o guindaste de grande porte, desmobilizado em área externa a obra desde 11/01/2014. O técnico foi socorrido pela equipe de Segurança do Trabalho e levado pelo SAMU até o hospital 28 de Agosto, onde teve seu quadro de saúde estabilizado e foi transferido para o hospital João Lúcio onde veio a falecer mais tarde. A empresa neste momento presta toda a assistência a família e apura as causas do acidente.

BOLETIM MÉDICO - HOSPITAL E PRONTO SOCORRO DR. JOÃO LÚCIO PEREIRA MACHADO

DATA:  07/02/2014

NOME DO PACIENTE: ANTONIO JOSÉ PITA MARTINS

IDADE: 55

Paciente deu entrada na unidade às 9h51, transferido do Hospital e Pronto Socorro 28 de Agosto, trazido pela ambulância do SAMU, com quadro de trauma encefálico grave, múltiplas lesões no tórax, em intubação endotraquial, drenagem de tórax, estabilizado. Nesta unidade o paciente passou por reavaliação multidisciplinar (cirurgião geral, ortopedista, entre outros) e neurocirurgião. Foi submetido à tomografia de tórax e de abdômen, que apontou contusão discreta; e tomografia de crânio, com identificação de hematoma subdural  bi-lateral. Encaminhado ao Centro Cirúrgico, o paciente foi submetido à craniotomia descompressiva, mas sofreu parada cardiorrespiratória durante o procedimento. Passou por manobras de reanimação, mas não resistiu. O óbito foi registrado às 12h30.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.