Matt Dunham/AP
Matt Dunham/AP

Opinião: Sem seu maior líder, seleção não pode cair no mesmo erro de 2014

Lateral-direito não era importante para Tite apenas tecnicamente

Raphael Ramos, O Estado de S.Paulo

11 Maio 2018 | 07h00

Confirmado o corte de Daniel Alves, a expectativa agora fica em torno de como o grupo vai reagir à ausência de seu líder maior. O lateral-direito não era importante para Tite apenas tecnicamente. Tanto é que, mesmo com o rodízio de capitães promovido pelo treinador desde 2016, nos dois jogos de maior peso da seleção no período, contra Inglaterra e Alemanha, o escolhido para ficar com a braçadeira foi justamente o jogador do PSG.

+ Fora da Copa do Mundo da Rússia, Daniel Alves para por seis meses

+ Com lesão no joelho, Daniel Alves está fora da Copa do Mundo da Rússia

+ Sem Daniel Alves, seleção brasileira perde também seu maior líder

+ Após confirmação da lesão de Daniel Alves, Fagner treina no gramado

+ Técnico do Palmeiras faz lobby por convocação de Marcos Rocha

Também não custa lembrar que ele é o principal “parça” de Neymar na seleção e teve influência decisiva nas transferências do craque do Santos para Barcelona e, depois, ao Paris Saint-Germain. Até hoje, Neymar é grato a Daniel Alves pela enfática defesa pública que o amigo fez a seu favor depois da tola suspensão da Copa América de 2015.

O que se espera é que o corte do lateral não abale a confiança do elenco. Todos os jogadores que serão convocados por Tite na segunda-feira são profissionais experientes, a maioria com larga rodagem na Europa. Por isso, precisam ter maturidade para superar a ausência do líder. O primeiro exemplo a não ser seguido é o da Copa de 2014, quando os comandados de Felipão pareciam mais preocupados em transmitir apoio a Neymar, machucado, do que em marcar os alemães no Mineirão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.