Pedro Souza/Atlético Mineiro
Pedro Souza/Atlético Mineiro

Oswaldo celebra estreia em casa pelo Atlético-MG e pede apoio da torcida

Treinador pediu pressão máxima diante do São Paulo em casa, onde a equipe é a segunda pior mandante do Brasileirão

Estadão Conteúdo

09 Outubro 2017 | 19h49

Depois de encarar o Atlético-PR, em Curitiba, e o Londrina, também no Paraná, o técnico Oswaldo de Oliveira fará sua estreia em casa pelo Atlético-MG nesta quarta-feira, diante do São Paulo. E em sua primeira partida no Independência, o treinador pediu que a torcida alvinegra exerça a pressão que ele já sentiu "inúmeras vezes" como visitante.

+ Cuca testa defesa titular e escala Jean na lateral

+ Dorival diz que Junior Tavares está mais responsável na marcação

+ Fabio e dupla de zaga titular desfalcam o Cruzeiro contra o Grêmio

"Fui adversário do Atlético-MG, aqui, inúmeras vezes durante toda a minha carreira e, agora, vou ter a meu favor aquilo que me pressionava. Isso é grandioso para mim", declarou Oswaldo nesta segunda-feira.

O pedido do comandante alvinegro tem um motivo. Ao contrário do que se acostumou nos últimos anos, o Atlético-MG vem sofrendo demais em casa e é apenas o segundo pior mandante deste Campeonato Brasileiro, com 12 pontos em 13 partidas em casa. A situação, como era de se imaginar, tem gerado muita insatisfação na torcida, que vem cobrando a equipe.

"A torcida tem que comprar esse barulho com a gente. E peço, aqui, nesse momento: vamos precisar dessa humildade. No momento em que o time precisar ter ações contidas, defensivas, nos ajudem. Porque, se a gente ficar atacando o tempo todo, não é o Atlético-MG atual que está preparado para isso. Precisamos ter essa consciência hoje e a nossa torcida tem que ser do nosso lado. Porque, se começar a pegar no pé e vaiar, vai passar para o lado do adversário e, no final dos 90 minutos, ao invés de nos ajudar, vai ter ajudado o adversário", considerou o treinador atleticano.

Em sua terceira partida no comando do Atlético-MG, Oswaldo busca a segunda vitória. E nesta segunda, ele explicou que espera ver em campo nesta quarta o time que derrotou o Atlético-PR na estreia, na última rodada, e não aquele que perdeu nos pênaltis a final da Copa da Primeira Liga para o Londrina.

"Todos eles estão imbuídos. Faço a leitura no semblante, no olhar do jogador. Aquela exibição contra o Atlético-PR não foi gratuita, foi muita dedicação que os jogadores tiveram para que cumpríssemos aquela partida e vencêssemos. Então, para ressurgirmos aqui, em Belo Horizonte, precisamos desse desafio, meu, dos jogadores e da nossa torcida", pediu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.