1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Pai de Neymar planeja transferir empresas para a Espanha

- Atualizado: 06 Fevereiro 2016 | 07h 00

Ideia é tirar rendimentos e tributação do Brasil

Advogados das três empresas da família de Neymar (Neymar Sport e Marketing, a N&N Consultoria Esportiva e Empresarial e a N&N Administração de Bens, Participações e Investimentos), criadas para cuidar da carreira e da imagem do craque do Barcelona, fizeram uma consulta à Receita Federal para transferir os negócios do grupo para a Espanha. O motivo é o grande número de problemas com as leis brasileiras de tributação.

O principal motivo de insatisfação do estafe de Neymar se refere à tributação dos direitos de imagem cobrados sobre a pessoa física do craque. A ideia não é simplesmente fechar as empresas aqui e abrir outras na Espanha, mas continuar operando aqui e transferir os rendimentos e a tributação para o país europeu.

Pai de Neymar, com o filho, antes de depoimento na Espanha
Pai de Neymar, com o filho, antes de depoimento na Espanha

“A imagem do Neymar foi criada aqui, mas existe a possibilidade de o Brasil ficar sem esses recursos”, afirmou Gustavo Xisto, advogado da família do jogador, ao Estado.

Em setembro de 2015 o Tribunal Regional Federal bloqueou R$ 188,8 milhões do jogador, do pai e das empresas da família para garantir o pagamento de pendências tributárias e multas. A decisão atendeu a pedido da Procuradoria da Fazenda Nacional, que também apurou irregularidades. Os advogados do jogador, por outro lado, argumentam que ele pagou cerca de R$ 75 milhões em impostos.

As empresas também são alvo de investigação do Ministério Público Federal. De acordo com denúncia apresentada na semana passada e rejeitada pela Justiça, a N&N Consultoria Esportiva e Empresarial foi constituída “sem estrutura de funcionamento”. A empresa teria, ainda segundo o MPF, recebido um empréstimo de 10 milhões de euros do Barcelona em 2011 sem que o clube espanhol exigisse garantias nem estabelecesse cobrança de juros.

Há indícios, segundo o MPF, de que a empresa foi aberta apenas para receber esse dinheiro. O repasse dos 10 milhões de euros foi feito no dia 15 de novembro daquele ano, menos de um mês depois da abertura da empresa.

A acusação é de que o empréstimo foi feito para permitir que Neymar e seu pai deixassem de pagar os impostos sobre o valor transferido. Também há suspeita de que o empréstimo do Barcelona serviu para dissimular o pagamento adiantado para garantir preferência na contratação do jogador.

Depois que Neymar foi comprado do Santos pelo Barcelona, em 2013, a N&N Consultoria recebeu mais 30 milhões de euros. Chamou a atenção do MPF o fato de o capital social registrado ser de apenas R$ 100 mil, divididos entre o pai e a mãe de Neymar.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EsportesX