Andres Stapff/Reuters
Andres Stapff/Reuters

Palmeiras aguarda Conmebol para começar venda de ingressos para jogo da Libertadores

Clube teme ter de jogar contra o Tucumán, da Argentina, com os portões fechados no dia 24

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

15 Maio 2017 | 19h03

A venda de ingressos para o jogo entre Palmeiras e Atlético Tucumán, no dia 24, pela Copa Libertadores, depende da Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol). O clube paulista aguarda para esta terça-feira o anúncio da entidade sobre a possível punição pela briga com o Peñarol, em Montevidéu, e por temer uma possível sanção que lhe obrigue a realização de partida com os portões do Allianz Parque fechados, ainda não colocou à venda os bilhetes para o próximo compromisso.

O episódio causador dessa insegurança foi no dia 26 de abril, quando ao fim da vitória por 3 a 2 sobre o Peñarol, pela Copa Libertadores, houve uma confusão generalizada em campo. O Tribunal Disciplinar da entidade denunciou como responsáveis pelo conflito os dois clubes e mais quatro jogadores, que já tiveram a punição anunciada. O palmeirense Felipe Melo, por exemplo, pegou seis jogos de suspensão.

Já no caso das equipes, a penalização ainda não foi revelada pela entidade. Como o código disciplinar prevê punições muito amplas, o Palmeiras e o Peñarol podem ter de pagar apenas uma multa ou até ter que jogar com portões fechados, como teme a diretoria alviverde. A tendência é o caso ser concluído nesta terça, com o comunicado sobre qual será a punição.

A confusão ao fim da partida também abrangeu as duas torcidas. Segundo relatos de palmeirenses, os uruguaios tentaram invadir o espaço destinado aos alviverdes. A Conmebol incluiu no relato da partida que os torcedores do Palmeiras chegaram a atirar no gramado objetos em direção aos árbitros e jogadores adversários.

O Palmeiras tentou se defender nas últimas semanas ao enviar advogados e o presidente do clube, Mauricio Galiotte, à sede da Conmebol, no Paraguai. Todos levaram um material com vídeos e fotos para embasar a tese de que a equipe agiu em legítima defesa e não foi a responsável pela confusão. Essa aproximação aos dirigentes da Conmebol teve o auxílio do presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, e do presidente da Federação Paulista de Futebol (FPF), Reinaldo Carneiro Bastos.

O jogo com o Tucumán, da Argentina, encerra a fase de grupos da competição. O Palmeiras lidera a chave, com dez pontos, porém ainda não está garantido nas oitavas de final. A equipe só perde a vaga caso perca por mais de um gol de diferença e na outra partida da rodada o Jorge Wilstermann, da Bolívia, derrote o Peñarol, fora de casa.

PORTÕES FECHADOS

Na Libertadores de 2013 o Corinthians sofreu a punição temida pelo Palmeiras. Na ocasião, o clube foi considerado culpado porque na partida anterior torcedores dispararam um sinalizador que acertou e matou o boliviano Kevin Spada durante o jogo contra o San José, em Oruro. Na rodada seguinte, a equipe paulista teve de enfrentar o Millonarios com o Pacaembu fechado para o público.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.