Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Palmeiras bate o Tucumán em jogo movimentado e se classifica em 1º

Alviverde vai às oitavas de final da Libertadores com 13 pontos conquistados no Grupo 5

Ciro Campos, O Estado de S.Paulo

24 Maio 2017 | 23h53

Sofrer de forma desnecessária para ganhar de maneira vibrante. O bipolar Palmeiras está nas oitavas de final da Copa Libertadores após nova vitória apertada nesta quarta-feira, quando fez 3 a 1 sobre o Atlético Tucumán, da Argentina, no Allianz Parque, quando mais uma vez teve dificuldades além do aceitável. 

O time passa como líder do grupo depois de três vitórias suadas como mandante. Assim como nos jogos anteriores, o resultado poderia ser bem mais fácil caso a equipe aproveitasse melhor o domínio. Novamente o alívio veio nos acréscimos, quando o terceiro gol confirmou o resultado positivo.

O Palmeiras em modelo “retrô”, como o de 2016, foi quem jogou muito no primeiro tempo. O time em versão bagunçada, daquele que só age no desespero, foi o do segundo tempo, quando viu os  argentinos sufocarem e comandarem o jogo.

Apesar de o time ter como novidade na camisa a estrela vermelha, alusiva à conquista da Copa Rio de 1951, as características na etapa inicial foram uma versão 2016 atualizada pelos reforços deste ano. O técnico Cuca retomou a icônica calça cor de vinho, rejeitada no último fim de semana, assim como o elenco recuperou o estilo de jogo do ano passado.

A pressão dos minutos iniciais rendeu um gol à moda “Cucabol”. A jogada ensaiada de falta teve toque de calcanhar, cavadinha, cruzamento e conclusão de Mina para as redes, aos 15 minutos de jogo. 

O placar de 1 a 0 era o prêmio para um time de futebol veloz, permeado por triangulações e tabelas, tudo capitaneado pela ótima atuação de Guerra e testemunhado por Gabriel Jesus. O atacante do Manchester City está de férias no Brasil e foi à arena para torcer pelo Palmeiras.

A apresentação palmeirense ficou arranhada no primeiro tempo pelos vacilos defensivos. A aparente facilidade em pressionar um adversário gerou erros no último passe e debilitou a marcação. Em um contra-ataque Barbona superou a marcação de Zé Roberto e acertou um chute na trave. Rodríguez perdeu uma chance com o gol livre depois de rebote de Fernando Prass. Riscos desnecessários ante o tamanho domínio.

O segundo tempo só se tornaria difícil se o Palmeiras não definisse o jogo. Pois se complicou feio. O Tucumán teve gol anulado por impedimento, alerta ignorado pela defesa. Logo depois Rodríguez, de cabeça, empatou aos 11 minutos. Os argentinos ainda tiveram chance de virar no lance seguinte. Mudança brusca de panorama.

A combinação de resultados possibilitava ao Tucumán apenas virar o jogo para se classificar e o time cresceu. Cuca reagiu rápido ao ver a equipe abatida, fez duas alterações. 

Quando o time parecia atordoado, pesou a estrela do treinador e de um dos substitutos. Willian aproveitou uma sobra na área para recolocar o Palmeiras na frente, aos 23. Mas isso não era suficiente, pois quem continuou melhor era o Tucumán. Bola na trave e uma grande defesa de Prass evitaram novo período de drama.

O desespero do Tucumán contagiou o Palmeiras, que acelerou demais o jogo e demorou para definir a vitória. Zé Roberto tirou a equipe do sufoco nos acréscimos. Para o bem da equipe, as oitavas de final só começam em julho. Há tempo para se preparar e evitar novos sufocos.

FICHA TÉCNICA

PALMEIRAS 3 x 1 ATLÉTICO TUCUMÁN

PALMEIRAS: Fernando Prass; Jean, Mina, Edu Dracena e Zé Roberto; Thiago Santos e Tchê Tchê; Róger Guedes (Fabiano), Guerra (Michel Bastos) e Dudu; Borja (Willian). Técnico: Cuca.

ATLÉTICO TUCUMÁN: Lucchetti; Di Plácido, Bianchi, Canuto e Evangelista; Leyes, Barbona, Aliendro, Álvarez (CUello) e González (Menendez); e Rodríguez. Técnico: Pablo Lavallén

Gols: Mina, aos 15 minutos do primeiro tempo. Rodriguez, aos 11, Willian, aos 23, Zé Roberto aos 46 minutos do segundo tempo.

Árbitro: Wilmar Roldán (Colômbia)

Cartões amarelos: Evangelista, Thiago Santos, Evangelista, Thiago Santos, Canuto, Aliendro. 

Cartão vermelho: González.

Renda: R$ 2.759.876,21

Público: 37.418 torcedores

Local: Allianz Parque, em São Paulo

Mais conteúdo sobre:
Palmeiras Futebol Libertadores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.