Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Palmeiras celebra identidade vencedora e mira sequência de 2016

Equipe supera três de quatro jogos de sequência difícil

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

17 Março 2017 | 07h00

Se antes a sequência de jogos difíceis assustava, agora, para o Palmeiras, os desafios viraram aliados para formar a atitude do novo elenco. A série de quatro partidas, com a alternância entre Copa Libertadores e clássicos estaduais, termina no domingo e, por estar perto de um fim positivo, faz o clube se lembrar de momentos similares vividos no Campeonato Brasileiro do ano passado.

Nas últimas semanas, o Palmeiras enfrentou o Atlético Tucumán e o Jorge Wilstermann, pela Libertadores. Entre essas duas partidas, bateu o São Paulo no clássico pelo Campeonato Paulista e no domingo joga na Vila Belmiro contra o Santos, também pelo Estadual, para fechar esses compromissos. "Esses desafios foram importantíssimos para criarmos nossa identidade. Precisávamos passar por esses quatro jogos, foi bem-vinda para nós essa sequência", afirmou o técnico Eduardo Baptista.

Pelo menos até agora, com três dessas quatro partidas já realizadas, o clube teve duas vitórias no Allianz Parque e um empate fora, obtido quando atuou com um jogador a menos. No clube, o clima é de confiança e de satisfação. No ano passado o Palmeiras teve de passar por uma série semelhante de dificuldade. 

Em setembro, no intervalo de dez dias, a equipe do então técnico Cuca jogou no Brasileiro clássicos com São Paulo (2 a 1) e Corinthians (2 a 0), mais uma partida fora contra o Grêmio (0 a 0)e um confronto direto com o então vice-líder Flamengo (1 a 1, no Allianz Parque). 

Após passar invicto pela série e no fim do ano ser campeão, o time ressaltou o quanto ter suportado esses obstáculos foi decisivo para dar confiança. O objetivo é conseguir esse efeito positivo de novo, depois de ter passado por um começo de ano abaixo do esperado. "A sequência vai deixar um legado. Temos de levar para o resto da temporada a postura de roubar bola no campo de ataque e de não se omitir na busca pelo resultado", diz o técnico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.