Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Palmeiras é derrotado pelo Atlético-PR antes de decisão na Libertadores

Reservas do alviverde não fazem boa partida diante dos paranaenses, no Allianz Parque; equipe enfrenta o Barcelona-EQU na quarta-feira

Robson Morelli, O Estado de S.Paulo

06 Agosto 2017 | 18h19

O Palmeiras amargou neste domingo sua segunda derrota dentro de casa no primeiro turno do Campeonato Brasileiro. Com um time reserva, não teve forças nem competência para superar o Atlético-PR e perdeu por 1 a 0, gol de Thiago Heleno, aos 18 minutos de bola rolando. Antes, havia perdido no Allianz somente para o Corinthians, por 2 a 0. Assim, a equipe encerra sua participação no turno da competição de forma melancólica, mas ainda entre os melhores do torneio, longe do líder Corinthians (diferença de 15 pontos) e de olho ‘apenas’ na Libertadores – joga nesta quarta-feira, em casa, contra o Barcelona, do Equador. A boa notícia ficou por conta da volta do volante Moisés.

Foi um primeiro tempo sonolento do Palmeiras. Cuca preferiu discutir mais com o juiz do que arrumar sua equipe. Parecia que a formação fazia no Allianz sua primeira apresentação junta, tamanho era o descompasso entre os setores. O entrosamento estava tão longe do ideal para um time que se conhece desde janeiro (estamos em agosto) que Fernando Prass optou pelas ligações diretas ao ataque. Em algumas ocasiões, de goleiro para goleiro – atravessando o meio de campo e os homens de frente. A marcação do Atlético-PR não deu espaço nem brechas. O Palmeiras jogava mal e, pior, se contentava em tocar a bola de lado, sem oferecer perigo ao gol de Weverson.

Com a marcação encaixada atrás da linha da bola, e até do meio de campo, o Atlético-PR explorou os erros dos donos da casa. Com 20 minutos de bola rolando, sem conseguir nada no ataque, o nervosismo já podia ser sentido no time do Palmeiras. Nada dava certo. Fabiano deixava uma avenida pela direita, nem sempre coberta por Jean. Na esquerda, Michel Bastos tinha trabalho na marcação e não funcionava até a linha de fundo. Diante de tamanha fragilidade, o time do Paraná avançou. Num escanteio aos 18 minutos, Thiago Heleno subiu mais do que Juninho e marcou gol de cabeça: 1 a 0 – merecido castigo ao time mais desarrumado em campo. O único que tentou sair do lugar-comum no setor foi Raphael Veiga, mesmo assim trocado por Cuca no intervalo para a reestreia de Moisés.

Sair na frente era tudo que o Atlético-PR queria para manter sua forma de jogar no Allianz Parque. A equipe continuou explorando os erros de passes (e foram muitos) dos donos da casa. Quando atacava, o Palmeiras era uma equipe confusa. Reclamou de alguns toques de mão na área, mas em nenhum deles ficou caracterizado pênalti, de fato. Aos 46, Prass ainda teve de fazer boa defesa para impedir gol de Ederson – seria o segundo dos visitantes. A derrota parcial quebrava uma sequência de cinco partidas sem perder do Palmeiras no Campeonato Brasileiro e jogava por terra a tentativa de o time conseguir um ponto a menos do que foi o primeiro turno do torneio nacional do ano passado, quando se sagrou campeão.

RETORNO

A única boa notícia do jogo do Palmeiras foi a volta de Moisés. Ele fez sua reestreia na equipe - primeira partida na temporada após passar por cirurgia e longo período de recuperação, no lugar de Raphael Veiga. Mesmo assim, o Palmeiras não conseguiu achar o caminho do gol em sua casa. Teve mais oportunidades do que na etapa inicial e exigiu, ao menos, que o goleiro Weverson sujasse o uniforme, com duas boas defesas, uma delas nos pés de Erik, em um abafa providencial. O Atlético-PR, em vantagem, desistiu do ataque, chamou o Palmeiras para dentro de sua área sem, no entanto, perder o poder de marcação. Tomou mais sustos, mas conseguiu sustentar o marcador e a vitória, sua terceira nas últimas três rodadas do Nacional.

FICHA TÉCNICA

PALMEIRAS 0 x 1 ATLÉTICO-PR

PALMEIRAS: Fernando Prass; Fabiano, Edu Dracena, Juninho (Antônio Carlos) e Michel Bastos; Jean, Tchê Tchê, Zé Roberto e Raphael Veiga (Moisés); Erik (Deyverson) e Borja. Técnico: Cuca.

ATLÉTICO-PR: Weverton; Jonathan, Paulo André, Thiago Heleno e Fabrício; Estevan Pavez, Lucho González (Eduardo Henrique), Sidcley e Guilherme; Pablo Felipe (Nikão) e Ederson (Lucas Fernandes). Técnico: Fabiano Soares.

Gol: Thiago Heleno, aos 18 minutos do primeiro tempo.

Juiz: Rodrigo Batista Raposo.

Cartões amarelos: Michel Bastos, Guilherme, Fabrício e Paulo André.

Público: 29.722.

Renda: R$ 1.706.659,17.

Local: Allianz Parque, em São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.