1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Palmeiras e Santos se reencontram em momentos distintos

- Atualizado: 20 Fevereiro 2016 | 07h 00

Alviverde chega pressionado diante de um rival tranquilo

Palmeiras e Santos disputam no Allianz Parque, às 17h, o clássico de maior rivalidade do futebol paulista da atualidade. No ano passado, foram sete confrontos, todos efervescentes, e neste sábado não deverá ser diferente. Assim como aconteceu no último encontro, marcante para os palmeirenses com a conquista da Copa do Brasil, as equipes chegam em momentos distintos. 

 Na final do torneio nacional, os palmeirenses eram os azarões e surpreenderam. Hoje, o time alviverde coleciona más atuações e inicia o ano com mais desconfianças do que certezas. O elenco já fala em jogar para apoiar o técnico Marcelo Oliveira, que minimiza, mas tem consciência de que um tropeço pode pressioná-lo ainda mais no cargo. 

O Santos vive um período de calmaria. Está invicto na competição – embora as atuações não tenham sido memoráveis –, manteve a base do ano passado e parece mais organizado em campo. 

Rivalidade e disputas pessoais não faltarão. A principal delas é mais um reencontro entre Fernando Prass e Ricardo Oliveira. Os dois experientes jogadores que já se desentenderam diversas vezes e têm mais um encontro nesta tarde. “Toda a situação que vivemos é coisa do passado”, disse o atacante santista. 

Marcelo Oliveira acredita que o rival vai para o jogo de forma parecida com a do último encontro. “Realmente mudou muito pouco. O Santos continua veloz, insinuante e toca muito a bola. Para tirar proveito, nós precisamos marcar forte”, analisou o treinador. 

Se pouca coisa mudou no Santos, a conversa é diferente no Palmeiras. Marcelo Oliveira ainda tenta encontrar uma forma para a equipe jogar melhor. Diante do River Plate-URU, ele apostou no esquema 4-3-3 com três volantes e dois deles (Arouca e Jean) saíram mais para o jogo. Marcelo pode repetir a formação ou ainda colocar Robinho no lugar de um deles. 

O treinador comandou um treino sem a presença da imprensa ontem e a única confirmação foi a ausência de Barrios, com dores musculares. Apesar do mistério, o técnico nega segredo. “O que precisa de novidade no Palmeiras é a gente fazer gols e não levá-los. Fechamos o treino para criar algumas jogadas de bola parada e também observar variações”. 

Do lado santista, Dorival Junior está precavido contra essa bola parada. Ao longo da semana, o treinador ensaiou as jogadas defensivas, principalmente pelo alto. E tentou corrigir o posicionamento dos zagueiros Lucas Veríssimo e Gustavo Henrique, que serão titulares novamente mesmo com as oscilações nos primeiros jogos. David Braz e Paulo Ricardo estão contundidos. 

Na frente, uma dúvida permanece: o substituto para Marquinhos Gabriel. O novo contratado Paulinho foi testado, teve altos e baixos e ficou fora do último jogo por febre; o argentino Patito teve chance no último jogo e o treinador afirmou que poderá escalar até o jovem Serginho, que foi bem no amistoso contra o Bahia. Se optar por Serginho, Dorival vai adotar o 4-4-2, deixando de lado o 4-3-3 do ano passado. 

FICHA TÉCNICA

PALMEIRAS: Fernando Prass; Lucas, Roger Carvalho, Vitor Hugo e Zé Roberto; Thiago Santos, Jean e Arouca; Dudu, Erik e Alecsandro

Técnico: Marcelo Oliveira

SANTOS: Vanderlei; Victor Ferraz, Gustavo Henrique, Lucas Veríssimo e Zeca; Thiago Maia, Renato e Lucas Lima; Gabriel, Ricardo Oliveira e Patito

Técnico: Dorival Júnior

JUIZ: Raphael Claus

LOCAL: Allianz Parque

HORÁRIO: 17h

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EsportesX