Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Palmeiras empata com Cruzeiro e perde chance de colar no Corinthians

Com dois gols de Borja, Alviverde fica no 2 a 2 e diferença para o líder cai para cinco pontos

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

30 Outubro 2017 | 22h05

Depois de protagonizarem grandes confrontos na Copa do Brasil, Palmeiras e Cruzeiro novamente fizeram uma partida de alto nível, tensa, pegada e quente nesta segunda-feira no Allianz Parque. O empate por 2 a 2 frustrou a expectativa dos palmeirenses, que queriam a vitória para encostar no líder Corinthians. No final da 31ª rodada, a diferença entre líder e vice-líder do Campeonato Brasileiro é de cinco pontos (59 a 54). No próximo domingo, os dois se enfrentam em Itaquera. 

+ TEMPO REAL: Confira como foi o jogo no Allianz Parque

O Cruzeiro se mostrou a pedra no sapato do time paulista na temporada. Depois de ter eliminado o Palmeiras na Copa do Brasil, o time mineiro breca a arrancada do Palmeiras, que vinha de três vitórias consecutivas. 

Foi o primeiro tropeço do interino Alberto Valentim, que substitui Cuca e iniciou a arrancada alviverde. Ironicamente, a partida marcou o encontro do Palmeiras com o técnico Mano Menezes, seu técnico preferido para 2018 - o cruzeirense decidiu permanecer no clube mineiro. 

Desde os primeiros minutos, o Palmeiras apostou no lado direito, com a velocidade e a facilidade de Keno e o apoio de Mayke. Por ali, o time chegava com facilidade. 

Outra estratégia foi a marcação na saída de bola, pressionando os zagueiros cruzeirenses. A prática, no entanto, mostrou-se uma faca de dois gumes. Quando subia a marcação, o Palmeiras deixava espaços na defesa. Foi um erro fatal. Aos 5 minutos, Diogo Barbosa recebeu lançamento pela esquerda e cruzou rasteiro. Juninho pegou de canela, em um lance bisonho, e fez gol contra.

Embora não tenha diminuído o entusiasmo da torcida, o gol deixou o Palmeiras afobado dentro de campo. No mesmo lance, Mayke e Tchê Tchê tentaram chutes de fora da área, todos estéreis que explodiram na zaga bem posicionada. O técnico Alberto Valentim reclamava da lentidão na transição, da defesa ao ataque. 

Mesmo com defeitos, o Palmeiras dominou a partida e espremeu o rival em seu campo. Manteve a disputa elétrica, com passes rápidos e intensidade na recuperação. Além das jogadas pela direita - Keno estava bem - o time mostrou pouca variação ofensiva. Sobraram cruzamentos na área. Aos 32, Borja cabeceou sozinho, mas errou por muito, jogando por cima. Mas o colombiano não desperdiçou a segunda chance que teve. Após cruzamento de Egídio - agora o time variou seu ataque -, Borja aproveitou o rebote e fez seu quinto gol no Brasileirão. 

Foi a senha para que o estádio incendiasse o time e começasse a gritar "Time da virada". Foram duas chances perdidas, uma depois da outra, com Keno e Dudu. O Palmeiras se aproximou da virada. Acuada, a equipe mineira terminou o primeiro sem finalizar ao gol de Fernando Prass. 

Quando conseguiu finalizar, o Cruzeiro levou perigo. No início da etapa final, Arrascaeta chutou, cara a cara, e Prass fez grande defesa. O time mineiro mudou sua postura, fazendo com os meias se aproximassem mais de Rafael Marques. Buscando mais efetividade no ataque, Mano Menezes trocou o atacante por Robinho. 

Bastou um minuto para a troca se revelar acertada. Após bola perdida pelo Palmeiras no meio, Juninho novamente estava no lance, o meia Robinho avançou sozinho e tocou, com categoria, na saída de Prass: 2 a 1. 

O gol foi um balde de água fria no entusiasmo dos palmeirenses, que esteve perto de fazer o segundo. Com o espaço proporcionado pelo rival e a bola nos pés, o Cruzeiro fez o que faz de melhor: tocou a bola. Com Deyverson no lugar de Keno, sinal da mudança de estilo de jogo, trocando a bola no chão pelos cruzamentos, o Palmeiras continuou abafando o Cruzeiro. Aos 40 minutos, Borja marcou seu segundo gol no jogo, após cruzamento de Dudu. A bola aérea dava resultado, mas o sonho da virada parou nas mãos do goleiro Fábio. 

 FICHA TÉCNICA:

PALMEIRAS 2 X 2 CRUZEIRO

PALMEIRAS: Prass; Mayke, Edu Dracena (Luan), Juninho e Egídio; Jean (Róger Guedes), Tchê Tchê e Moisés; Dudu, Keno e Borja.  Técnico: Alberto Valentim

CRUZEIRO: Fábio; Ezequiel, Manoel, Murilo (Digão) e Diogo Barbosa; Henrique, Lucas Romero, Rafinha, Thiago Neves e Arrascaeta (Lucas Silva); Rafael Marques (Robinho).  Técnico: Mano Menezes. 

Gols: Juninho (contra), aos 5 e Borja, aos 34 minutos do primeiro tempo; Robinho, aos 18 e Borja, aos 40 minutos do segundo tempo. 

Juiz: Heber Roberto Lopes

Cartões amarelos: Lucas Romero, Robinho

Público: 37.961 pagantes.

Renda: R$ 2.832.058,24.

Local: Allianz Parque

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.