Divulgação
Divulgação

Palmeiras encara a pressão do 'Bode' na Suíça do Nordeste

Renda de jogo na arena paga um ano de salário do time baiano

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

03 Março 2015 | 13h15

Conseguir evitar a eliminação na primeira partida é o grande objetivo do modesto e novato time do Vitória da Conquista na Copa do Brasil. A equipe fundada há 10 anos faz nesta quarta-feira o jogo mais importante de sua história e promete que vai tentar atrapalhar os planos do rival famoso, que já quer vencer por pelo menos dois gols de diferença para evitar a partida de volta, no Allianz Parque. Mas para deixar a Bahia classificado, o Palmeiras terá de encarar muitas dificuldades, é o que promete Evandro Guimarães, técnico do 'Bode', como o clube é conhecido no Nordeste.

O Vitória da Conquista conta com a força de sua torcida no acanhado estádio Lomanto Júnior, o Lomantão, que cabe cerca de 12.500 torcedores. E o gramado é de péssima qualidade, tanto que até o time da casa sofre com ele. "Complica demais a nossa vida esse gramado, mas deve complicar mais a do Palmeiras, já que o time paulista é mais técnico", analisou o treinador Evandro Guimarães, em entrevista ao Estado.

O time baiano treina na Toca do Bode, nome dado ao CT do clube, que na verdade é um grande terreno com um gramado no meio e muito espaço livre. Os atletas ficam em alojamentos no centro da cidade, que deveria ser um hotel, mas que os dirigentes resolveram transformar em uma espécie de sede. A folha salarial do Vitória da Conquista gira em torno de R$ 200 mil mensais. A renda do último jogo do Palmeiras em casa, contra o Capivariano, foi de R$ 2.578.175, ou seja, daria para pagar um ano de salário do adversário e ainda sobraria uma parte.

A equipe tem três jogadores mais conhecidos. O goleiro Viáfara, ex-Atlético-PR e Vitória, o volante Paulo Almeida, que ganhou muitos títulos pelo Santos, e o meia André Beleza, de passagem pouco marcante também pelo time da Vila Belmiro. "O Paulo Almeida estreou domingo e até fez gol (vitória por 2 a 1 sobre o Serrano)", disse, orgulhoso, Guimarães.

O clima é sempre mais frio do que no restante da Bahia, já que é uma região de serra. "Aqui é a Suíça do Nordeste. Tem festival de inverno e tudo", explicou o treinador que é de São Paulo e admite que a maior parte de sua família é formada por palmeirenses. "Meu sobrinho é palmeirense fanático, mas ele já me avisou que quarta-feira vai ser Bode. A família tem que ser Bode, né? Não dá para torcer contra a gente", brinca.

ZEBRA

Apesar das dificuldades de um clube pequeno, Guimarães promete muita luta e surpresa em campo."Vamos lutar contra um gigante, mas nos preparamos bastante e pode ser que a preparação deixe a desejar para algumas pessoas, mas para nós, vamos atuar no nosso limite", prometeu o treinador, que espera contar com a zebra para ao menos fazer a partida de volta em São Paulo. "O futebol, uma modalidade de alto nível, faz com que às vezes o time mais forte não consegue vencer o mais fraco e estamos abraçados nisso. Já mostramos do que somos capazes", avisou, mudando o discurso para mostrar valentia.

De fato, o desempenho do Vitória da Conquista no Campeonato Baiano é bom. Ele é o líder do Grupo 2, com 11 pontos, deixando para trás o Vitória com nove. Dentre outros feitos no ano, o Bode derrotou o Bahia em casa por 2 a 0. "Somos um time ofensivo e isso tem rendido muitos elogios. Enfrentamos de igual para igual todos os times aqui, mas eu não sou bobo. Claro que com o Palmeiras, a gente precisa ter um pouco mais de cuidado, porque a diferença entre as equipes é muito grande."

Se nos times grandes é normal o técnico fazer mistério na escalação, no Vitória da Conquista não existem segredos. Ao ser questionado se poderia revelar o time, Evandro brincou. "Segredo? Que nada. Posso falar o time, sim. É frescura esse negócio de ficar escondendo quem vai jogar. Aí arma um esquema para tentar parar um determinado jogador, vai outro, acerta um chute de longe, faz o gol e pronto. E outra, o Oswaldo de Oliveira nem está preocupado comigo e com quem vou colocar em campo", disse o bem-humorado treinador.

Assim, segundo Guimarães, o Vitória da Conquista tentará parar o embalado Palmeiras com Viáfara; Diego Aragão, Silvio, Fernando Belém e Mateus Leoni; Maicon, Paulo Almeida, Diogo Capela e André Beleza; Carlinhos e Rafamar. 

Mais conteúdo sobre:
Palmeiras Futebol Copa do Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.