1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Palmeiras inicia série caseira com derrota e vaias da torcida

- Atualizado: 28 Fevereiro 2016 | 19h 29

Primeiro de quatro jogos na arena termina 2 a 1 para a Ferroviária

O Palmeiras encarou a partida contra a Ferroviária como a primeira de uma série de quatro jogos em casa para ascender no Paulistão e na Libertadores. As expectativas mudaram radicalmente depois da derrota para a Ferroviária por 2 a 1 neste domingo. Dominado taticamente e com muitas dificuldades para criar, o time levou um gol no final da partida e saiu vaiado do Allianz Parque. A Ferroviária tem a segunda melhor campanha do torneio.

A partida propôs uma disputa clara entre o entrosamento da Ferroviária e a individualidade do Palmeiras. Mesmo jogando fora de casa, a Ferroviária impôs seu jogo. O time, por exemplo, gosta de ficar com a bola nos pés e dificilmente dá um chutão. Por isso, ficou com a bola dentro do Allianz Parque, embaralhando os conceitos de time pequeno e grande. O time de Araraquara terminou o primeiro tempo com mais 60% de posse de bola. 

Treinado pelo português Sergio Vieira, que traz conceitos táticos importantes, como defensores que sabem jogar e atacantes que se esforçam para marcar, o time também colocou em dúvida quem era o mandante e o visitante. O Palmeiras sofreu o mesmo que o Corinthians já havia sofrido em Araraquara, quando empatou no final da partida quando merecia a derrota.

Jogadores do Palmeiras ficam cabisbaixos enquanto Ferroviária festeja a vitória no Allianz Arena
Jogadores do Palmeiras ficam cabisbaixos enquanto Ferroviária festeja a vitória no Allianz Arena

Aceitando essa inversão de papéis, com poucas opções para trabalhar a bola no meio, o Palmeiras jogou no contra-ataque. Foi o mesmo jogo esticado e com lançamentos longos do ano passado. Essa proposta mais objetiva e contundente, baseada a qualidade técnica individual, foi perigosa. O Palmeiras não estava morto no jogo. Aos 7, Zé Roberto cruzou para Jean bater de primeira. O goleiro Rodolfo defendeu no susto. 

Palmeiras em 2016
Nilton Fukuda|Estadão
Palmeiras 2 x 0 Fluminense

Palmeiras se redimiu da derrota para a Ponte ao fazer 2 a 0 no Fluminense

O jogo sofisticado taticamente, de tentar levar a bola de pé em pé, traz alguns riscos, obviamente. Como os zagueiros da Ferroviária não são a oitava maravilha do mundo, o Palmeiras conseguiu roubar bolas perigosas apenas fazendo marcação na saída. 

Os erros de passe, principalmente com Robinho e Jean, prejudicavam a fluência do jogo palmeirense. Em linhas gerais, a Ferroviária dominava o jogo, mas não consegue finalizar – esse é o grande defeito time. Por outro lado, o Palmeiras tem vários craques, mas pouco organizados como um time.

Esse momento do jogo deixou uma questão no ar: como um técnico europeu jovem, com um ano de Brasil, consegue fazer o time tocar a bola enquanto o experiente e multicampeão Marcelo Oliveira ainda mostra uma equipe que dá muitos chutões? 

Teve entrosamento até na cobrança de falta. Aos 40 minutos, quatro jogadores fizeram uma barreira para bloquear a visão do goleiro. Funcionou. Com bela cobrança de Fernando Gabrie, a equipe do interior transformou sua superioridade tática em vantagem no placar.

Marcelo Oliveira deu sua resposta no segundo tempo. Adiantou os laterais, principalmente Lucas, exigiu mais movimentação de Dudu e exigiu mais marcação. Também foi bem nas alterações ao trocar Jean e Alecsandro por Rafael Marques e Cristaldo.

Foram exatamente os dois que entraram que construíram a jogada do empate. Aos 17 minutos, Cristaldo empatou na primeira vez em que tocou na bola. Foi a faísca que faltava para trazer para a partida os 18 mil palmeirenses, até então, calados. Foi a primeira vez no jogo em que a Ferroviária ficou acuada.

E correu riscos em vários momentos, novamente na saída de bola. O avanço do Palmeiras, no entanto, deixava espaços e a Ferroviária mostrou que também sabe apostar no contra-ataque. Aos 48, a surpresa do Paulistão conseguiu a vitória quando Rafinha tocou na saída de Fernando Prass. A alegria da pequena torcida de Araraquara fez um contraste com as pesadas vaias no estádio palmeirense.

FICHA TÉCNICA

PALMEIRAS 1 X 2 FERROVIÁRIA

Palmeiras: Prass; Lucas, Roger Carvalho, Vitor Hugo e Zé Roberto; Tiago Santos, Jean (Rafael Marques), Robinho, Gabriel Jesus (Erik) e Robinho; Dudu e Alecsandro (Cristaldo). Técnico: Marcelo Oliveira

Ferroviária: Rodolfo; Juninho, Wanderson, Marcão e Thallyson; Renato Xavier, Fernando Gabriel (Rosseto), Rafael Miranda e Samuel (Rafinha); Wescley (Danielzinho) e Tiago Adan. Técnico: Sérgio Vieira

Gols: Fernando Gabriel, aos 40 do 1º T e Cristaldo, aos 17 do 2º T e Rafinha, aos 48 do 2º T. 

Árbitro: Thiago Duarte Peixoto

Cartão amarelo: Rafael Miranda, Robinho, Tiago Adan, Marcão

Local: Allianz Parque, em São Paulo   

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EsportesX