Washington Alves/Light Press/Cruzeiro
Washington Alves/Light Press/Cruzeiro

Palmeiras leva gol do Cruzeiro no fim e é eliminado na Copa do Brasil

Alviverde dá adeus ao torneio com empate por 1 a 1 no Mineirão

Ciro Campos, O Estado de S.Paulo

26 Julho 2017 | 23h53

Da lista de competições a disputar no ano, o Palmeiras pouco a pouco vê as chances de título diminuírem. Nesta quarta-feira, no Mineirão, o time jogou mal, mas ainda assim esteve perto de eliminar o Cruzeiro, pela Copa do Brasil. O empate em 1 a 1 com gol sofrido no fim decretou nova frustração no ano e volta a colocar o elenco sob pressão.

A segunda eliminação do ano coloca pressão para ao menos na Copa Libertadores a equipe continuar viva. Se contra a Ponte Preta, na semifinal do Campeonato Paulista, o Palmeiras foi mal no primeiro jogo, contra o Cruzeiro a atuação fraca veio nos dois encontros. No Allianz Parque o time levou três gols no primeiro tempo, o que não ameniza a reação e o empate conquistado depois. Já no Mineirão, faltou levar mais perigo.

O adeus à Copa do Brasil transforma, como diz o canto da torcida, a Libertadores ainda mais em obsessão. A chance de conquista do Brasileiro está distante. Ou seja, ou a equipe continua viva no torneio continental ou lembrará de 2017 como uma temporada sem títulos e de atuações pouco inspiradas, como a do jogo no Mineirão. “Não é fácil vir jogar aqui dentro. Agora o jeito é pensar no próximo jogo”, disse o goleiro Jailson.

O empate 3 a 3 em jogo eletrizante na ida levou os treinadores a prepararem times mais comedidos para a partida de volta. Em vez de velocidade e ousadia, o temor foi neutralizar o adversário. O Cruzeiro levou vantagem no primeiro tempo por ter conseguido avançar mais, enquanto o Palmeiras não tinha saída de bola.

O técnico Cuca apostou em dois volantes marcadores (Thiago Santos e Felipe Melo) para liberar Guerra para criar. Porém, como faltava aproximação entre esses setores, o Palmeiras não levou perigo. No ataque, Borja brigava sozinho, Dudu não recebia a bola e Róger Guedes aparecia mais quando ajudava na marcação.

O Palmeiras desperdiçou o primeiro tempo inteiro com um futebol inerte. O técnico Cuca, então, colocou Keno no intervalo para parecer mais ofensivo ao menos no papel.

Na prática o Cruzeiro continuou tranquilo, sem ser ameaçado. A comodidade em poder empatar sem gols demorou a ser ameaçada. No jogo travado, sem emoção, era preciso um lance fortuito para mudar o panorama. O Palmeiras achou o gol em uma sobra de escanteio, aos 25 minutos. Keno chutou, a bola desviou na defesa e tirou a chance de defesa de Fábio.

O Cruzeiro, então, se atirou em busca do gol. O Palmeiras pecou pela desorganização, pois levou o empate em lance em que o lateral Diogo Barbosa apareceu na área para concluir, aos 39 minutos. Um vacilo irrecuperável.

FICHA TÉCNICA

CRUZEIRO 1 x 1 PALMEIRAS

CRUZEIRO: Fábio; Romero, Léo, Murilo e Diogo Barbosa; Henrique, Ariel Cabral e Thiago Neves; Alisson, Élber (Arrascaeta) e Rafael Sóbis (Raniel). Técnico: Mano Menezes

PALMEIRAS: Jailson; Jean, Mina, Dracena e Egídio; Thiago Santos, Felipe Melo (Raphael Veiga) e Guerra (Keno); Roger Guedes, Dudu (Tchê Tchê) e Borja. Técnico: Cuca

Gols: Keno, aos 25, e Diogo Barbosa, aos 39 minutos do segundo tempo.

Juiz: Wilton Pereira Sampaio (GO).

Cartões amarelos: Mina, Egídio, Alisson, Arrascaeta, Edu Dracena, Thiago Neves. 

Público: 41.660 pagantes.

Renda: R$ 1.277.729,00.

Local: Mineirão, em Belo Horizonte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.