1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Palmeiras luta, mas perde para o Nacional em casa por 2 a 1

- Atualizado: 10 Março 2016 | 00h 21

Equipe pressiona, manda bola na trave, mas não consegue superar a marcação dos uruguaios e tem primeira derrota na Libertadores

Como aconteceu diante do Rosario Central, o Palmeiras teve um jogo eletrizante, com emoção até o último minuto. Desta vez, sem ter motivos para sorrir. Derrota por 2 a 1 para o Nacional-URU, no Allianz Parque. O time as sabia o que precisava fazer para não decepcionar os mais de 37 mil torcedores que foram ao estádio crentes em mais uma vitória e a certeza de novos tempos para a equipe. Era repetir o que fez na primeira etapa do jogo com o Rosario.

No domingo, o Palmeiras tem pela frente o São Paulo e vai a campo com mais dúvidas do que certezas sobre sua capacidade. As vitórias diante de Rosario e Capivariano, talvez tenham sido ilusórias. Um jogo o resultado foi conquistado no sufoco e no outro, o adversário era o lanterna do Campeonato Paulista.

Na quarta-feira, não faltou vontade do lado verde. Justamente como aconteceu contra o Rosario. Mas o futebol não é feito só de disposição. É preciso organização tática e qualidade com a bola no pé, algo que faltou como faltara em tantas outras oportunidades.

Palmeiras sofre derrota em casa para o Nacional
Palmeiras sofre derrota em casa para o Nacional

O técnico Marcelo Oliveira, acreditando que tenha achado o time ideal, repetiu a formação que derrotou os argentinos do Rosario. Talvez ele tenha lembrado apenas o placar (2 a 0) e o bom primeiro tempo. Período que foi lembrado, em partes, apenas na segunda parte do jogo de ontem, quando o time verde passou a apostar tudo no ataque e só ele ficou com a bola.

Ficou, então, ainda mais evidenciado as deficiências da equipe. Muita correria, trombadas e cruzamentos para a área. O Nacional, que foi para a arena sabendo que um empate já seria um grande resultado, jogou recuado e retardando ao máximo todo lance, para fazer o tempo passar. Sem contar as pancadas em Dudu e Gabriel Jesus, do início ao fim do jogo e as tradicionais reclamações contra a arbitragem. Como um típico jogo de Libertadores.

Pressão. Uma possível vitória se tornou uma sofrida derrota em apenas três minutos. Aos 37, Nico López saiu livre na cara de Prass, driblou o goleiro e mandou para as redes. Três minutos depois, outra pane na zaga alviverde e Barcia aproveitou lançamento e tocou na saída do goleiro. Parecia um pesadelo para os palmeirenses.

Ainda na primeira etapa, Fucile foi expulso após falta em Gabriel Jesus, que deu mais um alento aos palmeirenses. O atacante aproveitou rebote da defesa, driblou o goleiro e diminuiu a diferença. Esperança.

Na etapa final, um ataque contra defesa no Allianz Parque. O pouco que existia de esquema tático no Palmeiras se foi de vez e a equipe partiu desordenadamente para cima. Vitor Hugo, o zagueiro, virou centroavante, na espera de um cruzamento para a área. 

Aos 49, um lance incrível. Após cobrança de falta para a área, a bola sobrou para Lucas, que acertou uma bomba na trave. Prass estava na área para tentar salvar o time mais uma vez. Desespero sem fim até os últimos minutos e que não adiantou de nada. O Palmeiras mais uma vez não fez a sua parte.

FICHA TÉCNICA

PALMEIRAS 1 x 2 NACIONAL-URU

GOLS: Nico López aos 37, Barcia aos 40 e Gabriel Jesus aos 48 minutos do 1º tempo.

PALMEIRAS (4-3-3): Fernando Prass; Lucas, Thiago Martins (Egídio), Vitor Hugo e Zé Roberto; Thiago Santos, Jean (Allione), Robinho, Dudu e Gabriel Jesus; Cristaldo (Alecsandro). 

Técnico: Marcelo Oliveira.

NACIONAL-URU (4-4-2): Conde; Fucile, Eguren, Victorino e Espino; Barcia (Carballo), Porras, Romero e Ramirez; Nico López (Léo Gamalho) e S. Fernandez (Cabrera). 

Técnico: Gustavo Muñua.

JUIZ: Enrique Osses (Chile).

CARTÕES AMARELOS: Zé Roberto, Fucile, Eguren, Thiago Martins, Sebástian Fernandez, Egídio, Conde, Romero, Nico López.

CARTÕES VERMELHOS: Fucile e Léo Gamalho. 

PÚBLICO: 37.073 pagantes.

RENDA: R$ 2.490.655,54.

LOCAL: Allianz Parque, em São Paulo.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EsportesX