Daniel Teixeira|Estadão
Daniel Teixeira|Estadão

Palmeiras supera ansiedade e bate São Bernardo com gols no segundo tempo

Alviverde supera impaciência de parte da torcida e garante os três pontos

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

16 Fevereiro 2017 | 21h25

O Palmeiras é neste começo de temporada um time vítima das próprias expectativas. O atual campeão brasileiro penou na própria ansiedade e no futebol ruim nesta quinta-feira, contra o São Bernardo, até finalmente achar os gols no segundo tempo e confirmar a vitória por 2 a 0 no Allianz Parque, em partida com várias demonstrações de impaciência por parte de alguns torcedores.

 

O atacante Dudu só teve uma reação para comemorar o primeiro gol. O capitão do time não vibrou com o lance e apenas quis abraçar o técnico Eduardo Baptista, alvo de críticas de parte da torcida durante o jogo.  O gesto amenizou a atuação mediana. O atual campeão brasileiro é refém da cobrança da torcida ao ver traduzido em gols o poderio teórico do elenco atual. O time é lento e exagera nos chutões para chegar ao ataque.

 

A expectativa para o jogo residia em dois motivos principais. Valia reagir depois de perder para o Ituano e ver a estreia no ano de Moisés, recuperado de cirurgia no pé esquerdo. Na prática isso pouco surtiu efeito. O Palmeiras do primeiro tempo teve atuação capaz de deixar a sempre animada torcida um pouco mais quieta, entediada com a falta de lances de perigo. Somente cruzamentos criaram algum susto para o São Bernardo.

 

A saída de bola com lançamentos longos e a lentidão para furar a marcação deixaram a torcida descontente. Alguns gritos pelo ex-treinador Cuca vindos do setor das organizadas vieram no fim do primeiro tempo, curiosamente quando o time adiantou a marcação e levou mais perigo. Em contraponto à manifestação, demais setores do estádio vaiaram a atitude de reprovação ao trabalho do atual treinador.

 

A impaciência cresceu no segundo tempo. O time estava nervoso e quase levou gol em um recuo de bola em que o goleiro Fernando Prass tentou devolver para Edu Dracena, mas viu a bola tocar no atacante Rodolfo e bater na trave. Só depois desse susto a torcida se mobilizou de forma positiva, ao cantar o nome do clube.

 

Pouco depois o jogo mudou bastante. O técnico Eduardo Baptista fez duas alterações (entraram Raphael Veiga e Michel Bastos), o time melhorou e achou o gol com Dudu, aos 19 minutos. A vantagem relaxou o time  e Jean, de pênalti, fechou o placar, as 32 minutos. O terceiro por pouco não veio nos minutos finais.

 

FICHA TÉCNICA

 

PALMEIRAS 2 X 0 SÃO BERNARDO

 

PALMEIRAS (4-1-4-1): Fernando Prass; Jean, Edu Dracena, Vitor Hugo e Zé Roberto; Felipe Melo; Róger Guedes (Michel Bastos), Moisés (Keno), Guerra (Raphael Veiga) e Dudu; Willian. Técnico: Eduardo Baptista.

 

SÃO BERNARDO (4-3-3): Daniel; Eduardo (Alyson), Edimar, Anderson Conceição e Breno; Geandro, Vinícius Kiss e Rafael Costa (Marcinho); Rodolfo, Walterson (Patrick Vieira) e Edno. Técnico: Sérgio Vieira. 

 

Gols: Dudu, aos 19, e Jean, aos 32 minutos do segundo tempo.

Juiz: José Cláudio Rocha Filho

Cartões amarelos: Vinícius Kiss, Willian, Geandro, Edno, Marcinho, Keno. 

Público: 23.708 presentes.

Renda: R$ 1.238.229,74.

Local: Allianz Parque, em São Paulo.

Mais conteúdo sobre:
Palmeiras Futebol Palmeiras

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.