JF Diorio/Estadão
JF Diorio/Estadão

Palmeiras tem guardada calça cor de vinho usada por Cuca em 2016

Treinador, que retorna ao cargo nesta terça, manteve no clube o amuleto do título brasileiro

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

09 Maio 2017 | 07h00

O técnico Cuca recomeça nesta terça-feira o trabalho no comando do Palmeiras sem ter precisado se preocupar excessivamente com a bagagem trazida de casa, em Curitiba, para o retorno ao trabalho em São Paulo. O item mais marcante da passagem dele pela equipe no ano passado foi a calça cor de vinho, peça que continua guardada pelo clube como recordação pelo título brasileiro de 2016.

A calça virou um amuleto do treinador durante a campanha. Supersticioso, Cuca considerou que o item trazia sorte e evitou trocar. A repetição ganhou o apoio do próprio Palmeiras. Ao oficializar a contratação do treinador na última sexta-feira,o clube publicou nas redes sociais dois emojis para representar o retorno. O primeiro era de uma calça e o outro, de uma taça de vinho (veja abaixo).

A torcida reagiu ao anúnciou com alegria nas redes sociais. Alguns palmeirenses disseram que comprariam o artigo na mesma cor, para homenegear o treinador. O responsável por dar o título brasileiro à equipe após 22 anos deixou a "calça da sorte" no clube antes de sair do cargo, em dezembro. Funcionários guardam a peça guardada em local reservado, embora exista o plano de futuramente levá-la para ficar exposta em algum memorial.

Cuca passou a usar a calça cor de vinho em agosto do ano passado, quando o clube iniciou uma série invicta no Campeonato Brasileiro. A estreia dela foi na última rodada do primeiro turno, diante da Chapecoense. Cerca de dois meses depois de incorporar a peça ao vestuário, Cuca brincou em entrevista com a superstição e relembrou que nesse período o Palmeiras tropeçou em jogos em que não usava o item. As ocasiões foram um empate com a Ponte Preta e uma derrota para o Botafogo-PB, pela Copa do Brasil.

No Atlético-MG, onde ganhou a Copa Libertadores de 2013, o treinador passou por situação semelhante. A camisa preta e com o desenho de Nossa Senhora Aparecida foi utilizada durante a fase decisiva da campanha. Após o título, a diretoria do clube recolheu a peça e a levou para a sede do clube, no bairro de Lourdes, em Belo Horizonte, onde está exposta.

RECOMEÇO

Apesar de conhecer bem o Palmeiras, onde trabalhou entre março e dezembro de 2016, Cuca terá pela frente um ambiente modificado. No comando do clube o presidente Paulo Nobre se afastou e deu lugar a Maurício Galiotte. Entre os jogadores, dois titulares absolutos do Palmeiras na campanha do título vivem momento oposto agora: o zagueiro Vitor Hugo e o meia Moisés.

O defensor chegou a ser convocado para a seleção brasileira em janeiro, porém passou a maior parte desta temporada na reserva e tem sondagem do futebol italiano. Já Moisés se recupera de cirurgia no joelho e só deve retornar em agosto. Além disso, dois atacantes do elenco despertam o interesse de outras equipes. Érik é alvo do Vitória. Alecsandro foi procurado por Bahia e Coritiba.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.