1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Parte da arquibancada da Arena Palestra desaba e mata um operário

Daniel Batista e Breno Pires - O Estado de S. Paulo

15 Abril 2013 | 12h 15

Acidente aconteceu na manhã desta segunda-feira, no novo estádio do clube, previsto para ser entregue em 2014

SÃO PAULO - Uma parte da arquibancada que estava sendo construída na Arena Palestra, do Palmeiras, desabou na manhã desta segunda-feira, provocando o primeiro acidente sério no local. Um operário morreu e outro ficou ferido, segundo informações do Corpo de Bombeiros, que foi chamado imediatamente e permanece no complexo. A assessoria de imprensa da WTorre, responsável pela construção do estádio, confirmou o acidente, mas recusou-se a dar maiores informações sobre o episódio até que se conclua alguma coisa.

A empresa divulgou comunicado em que se compromete a prestar ajuda necessária às vítimas e aos seus familiares e esclarecimentos sobre o fato em breve. Parte da obra foi paralisada por órgãos municipais competentes. Seis viaturas do Corpo de Bombeiros estão no estádio. No momento do acidente, por voltas das 11h30, um grupo de operários participava de uma palestra sobre segurança no trabalho.

O operário ferido, cujo nome é Crispiniano Santos, foi encaminhado para a Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, e permanece em observação. Ele apresentava ferimentos leves, no ombro e na região lombar. Aparentemente, passava bem.

O Palmeiras deve se pronunciar ainda nesta segunda-feira. Órgãos da prefeitura de São Paulo também devem comparecer ao local para vistorias. Uma perícia será feita. Não está descartada a possibilidade de a obra parar por tempo indeterminado até que a Prefeitura tenha todos os documentos e regularização da construção checados. Os órgãos municipais não vão liberar a construção até que tenham garantias e certezas do que de fato ocorreu.

Até a tarde dessa segunda-feira, o corpo do operário morto ainda não havia sido resgatado dos escombros. O nome da vítima é Carlos de Jesus. Ele tinha 34 anos. Bombeiros já disseram que é possível ver o corpo do operário debaixo das placas de concreto. Vigas que sustentavam essas placas se partiram, provocando o desabamento em cadeia. Essas sustentações estavam localizadas na parte do estádio próxima à avenida Francisco Matarazzo. Cães farejadores do Corpo de Bombeiros podem ser levados ao estádio para tentar encontrar novos feridos. Informações iniciais davam conta de que apenas cinco operários estavam no setor quando as vigas se partiram. 

De acordo com o relato inicial do médico Maurício Minari, do Corpo de Bombeiros, houve um efeito cascata após a queda da primeira viga. Um estrondo foi ouvido. "Foi um efeito dominó. Quando uma viga caiu, outras começaram a cair também, colocando abaixo as placas de concreto que eram sustentadas por elas. As pessoas que trabalhavam no local conseguiram fugir, menos essa que morreu."

O delegado do 23º DP de Perdizes foi chamado ao local para começar o trabalho de investigação. Até que se descubram os motivos do acidente, a obra deverá ficar embargada.   

Atualizada às 14h21