Assine o Estadão
assine

Esportes

futebol

Passagem de Lugano pelo Cerro teve muitos gols, mas pouco brilho

Para imprensa paraguaia, zagueiro não fez grandes atuações

0

Ciro Campos,
O Estado de S. Paulo

08 Janeiro 2016 | 07h00

A curta passagem de Diego Lugano pelo Cerro Porteño teve gols, cartões amarelos e poucos elogios da imprensa. O Estado entrou em contato com jornalistas paraguaios para ouvir avaliações sobre o defensor de 35 anos, que deve ser anunciado pelo São Paulo nesta sexta-feira. Apesar de atuações discretas, pelo menos o uruguaio chega ao Brasil com bons números.

Em 15 jogos no futebol paraguaio, Lugano marcou cinco gols, a média mais alta da carreira. A passagem curta do defensor teve como positivo a ausência de lesões, problema que chegou o afastar dos gramados por quase um ano e o levou a se recuperar no próprio CT da Barra Funda, em 2014, para readquirir a forma física durante o segundo semestre.

"Lugano é um jogador de experiência, ainda rende futebolisticamente. Ele sabe lidar com a pressão da imprensa, dos resultados e da diretoria. Mas teve um rendimento normal. Não foi um dos melhores do campeonato", comentou o jornalista Miguel Cáceres, do jornal ABC Color. Lugano terminou como vice-campeão paraguaio e teve a infelicidade de na decisão, contra o Olimpia, marcar um gol contra.

O uruguaio chegou ao Cerro Porteño com o campeonato já iniciado. A estreia foi apenas na quinta rodada, de um total de 22 compromissos. Como os jogos eram apenas uma vez por semana, o período de descanso ajudou Lugano a manter a regularidade em campo. A sequência dele só foi atrapalhada por duas suspensões causadas pelo acúmulo de cartões amarelos. Na Liga Paraguaia, a cada cinco advertências, o atleta fica uma partida fora.

No Paraguai o defensor demonstrou liderança, mas ficou abaixo das expectativas. "Na primeira partida ele jogou bem, gerou entusiasmo e trouxe ânimo. Mas no fim, o Lugano terminou com um rendimento abaixo do esperado, com atuações normais", disse Cristhian Tindel, da rádio La Deportiva 1120 AM, de Assunção.

Comentários