Patrocínio dá novo ânimo ao Santos

O Santos vai disputar o Brasileiro deste ano com a marca Bombril estampada em sua camisa. Acordo nesse sentido foi firmado hoje entre o clube e a Cirio, detentora da marca da esponja de aço, e vale até o fim do ano. Depois disso, e dependendo das mudanças que estão para ocorrer na legislação do futebol brasileiro, a parceria poderá ser ampliada. O contrato, por enquanto, é de apenas patrocínio na camisa e não implica na contratação de jogadores. A esse respeito, o presidente Marcelo Teixeira descartou novas aquisições e espera a volta de Robert e Rubens Cardoso, emprestados ao São Caetano, para definir o aproveitamento ou a transação desses dois atletas. O patrocínio trouxe novo ânimo ao Santos. Tanto que o presidente Marcelo Teixera anunciou que estão sendo tomadas as últimas providências para apresentar à Federação Paulista de Futebol um projeto de ampliação da Vila Belmiro para que possa receber um público de 35 mil pessoas, a um custo aproximado de R$ 3 milhões. "O presidente Farah levou à discussão de assembléia da Federação projeto de ampliação do Parque São Jorge com recursos da entidade, essa proposta foi aprovada e outros clubes poderão fazer o mesmo". Revelou que já há um projeto aprovado pela prefeitura santista e que está sofrendo algumas alterações. Ainda nas asas da FPF, Marcelo Teixeira revelou que seis jogadores serão contratados pela entidade para reforçar os grandes times de São Paulo para o primeiro semestre do ano que vem. "Estamos estudando nomes que serão apresentados na hora certa", disse o presidente santista, que espera receber dois reforços de peso para o Paulista de 2003. Para o Brasileiro, "a equipe está praticamente definida e o Santos não tem intenção, neste momento, de fazer contratações", garantiu Marcelo Teixeira. Ele explicou que a diretoria trabalhava na aquisição de dois jogadores experientes, mas o técnico Leão pediu um tempo para avaliar melhor o elenco atual, bastante jovem. Descartou uma nova contratação de Freddy Rincón e desmentiu que o jogador estivesse cobrando o clube. "Há ainda valores pendentes com o profissional, mas não estamos sendo cobrados", explicou. Futuro - O Santos deverá receber R$ 240 mil mensais para estampar o logotipo da Bombril em sua camisa, num contrato de cinco meses. José Carlos Brunoro, que intermediou o acordo, explicou que a marca italiana Cirio poderá ser utilizada em algumas partidas. Para ele, há uma grande possibilidade de o contrato ser ampliado no ano que vem, dependendo das mudanças na legislação do futebol brasileiro. "Bombril está presente em 85% dos lares brasileiros e o Santos em 85% dos corações brasileiros", disse ele, explicando que a escolha do time da Vila Belmiro ocorreu em função de duas características comuns: tradição e modernidade. Outro fator considerado foi que "o Santos é uma marca sem rejeição, que é muito forte aqui e lá fora e isso é importante para a Cirio, uma empresa internacional". Brunoro quer um trabalho a longo prazo e não descarta a realização de um intercâmbio entre o Santos e o italiano Lazio, que pertence à Cirio. Um amistoso entre as duas equipes já foi acertado, faltando apenas encontrar uma data no calendário apertado do futebol. Para fechar o contato assinado hoje, a empresa italiana não considerou a necessidade de o Santos ganhar um título importante para quebrar o longo jejum de 18 anos. "A conquista de um título é a conseqüência de um trabalho, ela vem naturalmente", disse José Carlos Brunoro. Para ele, "não adianta ter a fobia de ganhar amanhã ou depois, porque isso inibe a conquista". Garantiu, assim, que o importante "é o que a gente está vendo: mentalidade profissional e moderna e que a gente possa estar ao lado do Santos para somar".

Agencia Estado,

01 Agosto 2002 | 17h25

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.