Site Oficial / Saopaulofc.net
Site Oficial / Saopaulofc.net

Pinotti banca Dorival no comando do São Paulo e não descarta ajuda 'informal' de Muricy

Diretor executivo de futebol do clube concedeu entrevista coletiva nesta terça-feira

Matheus Lara, O Estado de S. Paulo

12 Setembro 2017 | 12h54

O diretor executivo de futebol do São Paulo, Vinicius Pinotti, disse que Dorival Junior não deixará o comando do time, algo que vem sendo sugerido por conselheiros e parte da torcida tricolor por conta da situação do time no Campeonato Brasileiro. Pinotti afirmou que a diretoria confia no treinador.

"Estamos muito satisfeitos com o trabalho do Dorival, mas sabemos que isso ainda não foi refletido dentro de campo. Mas ele é nosso treinador e acreditamos que não dá para mudar a toda hora", afirmou o dirigente. "Sabemos que a situação é horrivel, estamos temerosos, mas estamos trabalhando bastante para tentar reverter isso. Não é de agora que estamos preocupados e focados em tirar o time dessa situação".

O diretor disse entender a pressão sobre sua permanência no cargo de diretor de futebol, mas que está confiante. "A pressão faz parte da vida e eu já imaginava que viria pressão, Não tem problema. Sei muito bem conviver com democracia e opiniões divergentes.  Tenho confiança no meu trabalho e no trabalho desenvolvido no do CT. Continuo muito confiante".

Pinotti não descartou a possibilidade de que Muricy Ramalho colabore com o time na luta contra o rebaixamento. Um documento com 7,5 mil assinaturas foi protocolado na presidência do São Paulo nesta terça-feira, sugerindo a contratação do ex-técnico como coordenador de futebol do clube. Para Pinotti, a contratação não será possível por conta do atual vínculo empregatício de Muricy com uma emissora.

"Nós já nos pautamos sobre essa questão, isso já vem sendo discutido não é de hoje. Por conta do contrato dele com a emissora, e pelo histórico que ele tem de cumprir seus contratos até o final, é muito difícil ele vir, mas nada impede que ele nos ajude informalmente, não como contratato".

O dirigente disse que a criação do cargo de coordenador de futebol no São Paulo depende da aprovação da comissão técnica de Dorival Junior e diz que o clube chegou a entrar em contato com Muricy. "Esse cargo nao tem intenção de ser criado, mas não quer dizer que não tenhamos uma pessoa ajudado. A ajuda do Muricy seria muito bem vinda, já tivemos alguns contatos com ele. Mas sempre que se fala em coordernador técnico, tem que falar com a comissão técnica. Não podemos contratar um coordenador sem que o técnico esteja confortável em relação a isso".

A tensão no clube aumentou depois do empate em 2 a 2 com a Ponte Preta, resultado que manteve o São Paulo na vice-lanterna do Brasileirão. O clube anunciou que suspendeu entrevistas coletivas dos jogadores durante a semana, enquanto o elenco aposta nos treinos para contornar atritos internos. Pinotti explicou que a medida não foi imposta pela diretoria e disse que, em alguns momentos, o melhor mesmo é não falar nada. "Ninguém impôs esse silêncio. Quando não temos nada a falar, o melhor é não falar nada".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.