1. Usuário
Assine o Estadão
assine
Copa 2014

Platini pede que Fifa reveja custos de seus megaeventos

JAMIL CHADE - Agência Estado

04 Julho 2014 | 08h 25

A Copa do Mundo se transformou em um evento caro demais, e a Fifa precisa rever o custos de seus megaeventos. Quem faz o alerta é o vice-presidente da Fifa e presidente da Uefa, Michel Platini. Em entrevista exclusiva, o francês defende que o orçamento, que triplicou em sete anos, seja investigado.

O ex-jogador deixa claro que seleções sem condições mentais e físicas adequadas sofrerão e que está cada vez menor a diferença entre os países que tradicionalmente foram potências e os demais. Platini vai decidir se será candidato a presidente da Fifa em setembro. As eleições ocorrem em 2015, e Joseph Blatter já indicou que vai participar. Abaixo, os principais trechos da entrevista:

Agência Estado - A qualidade dos jogos no Brasil é muito alta. O que mudou desde 2010 no futebol? Por que tantos gols marcados nesta Copa?

Michel Platini - Tenho dito, há algum tempo, que a qualidade do futebol ofensivo em nossas competições na Europa é extraordinária, com um número maior de times jogando para ganhar e marcar gols, em vez de jogar para não perder. Já que muitos jogadores atuam na Europa, não me surpreende que o mesmo ocorra no Mundial.

Agência Estado - Grandes seleções, como Espanha, Inglaterra e Itália, foram eliminadas na primeira fase. O que isso mostra?

Michel Platini - O nível geral dos times na Copa é mais alto que no passado e existe uma diferença menor entre as seleções grandes e as pequenas. Isso significa que países do topo podem ser eliminados se não estiverem em boa forma física ou mental. Talvez seja isso que esteja ocorrendo com alguns deles.

Agência Estado - Existe hoje uma atmosfera de festa no Brasil. Como se explica a redução dos protestos?

Michel Platini - Houve ainda alguns pequenos protestos, e eu acredito que as pessoas têm o direito de se expressar, se o fizerem de forma pacífica. Respeito isso de forma integral. Mas tenho de dizer que fiquei satisfeito em ver que as pessoas abraçaram a Copa e o futebol incrível que está sendo jogado. Sabe, eu me lembro de jogar no Maracanã pela primeira vez em 1977 e foi uma ocasião especial para mim, por causa da atmosfera mágica no Brasil.

Agência Estado - Como vê a seleção brasileira? Alguns dizem que estamos muito dependentes de Neymar.

Michel Platini - Não existe nenhum grande time sem grandes jogadores e não existem grandes jogadores sem um grande time. Você poderia dizer o mesmo sobre a Argentina, dependendo muito de Messi, e Portugal, com Cristiano Ronaldo. Neymar é uma estrela e é normal que as seleções tenham alguma dependência de suas estrelas.

Agência Estado - Qual sua avaliação sobre a preparação do Brasil para a Copa? A festa está nas ruas, mas custou três vezes mais que o esperado. Isso deve ser investigado?

Michel Platini - Não estive no Brasil durante a preparação, mas sei que houve muitos atrasos com os estádios e outras infraestruturas. Sobre os custos, se eles foram muito maiores que o esperado, então acho que o povo deve saber por que isso ocorreu.

Agência Estado - Quais lições o Brasil ensina para a Fifa no futuro?

Michel Platini - Eu acho que um volume grande demais de dinheiro está sendo gasto na organização de torneios como a Copa e acho que isso precisa ser examinado no futuro.

Agência Estado - Doze sedes como tivemos no Brasil é um número bom para uma Copa?

Michel Platini - É o país-sede que escolhe as cidades que recebem os jogos. Muitas cidades querem participar e, no final, é complicado, porque isso acaba se tornando uma decisão política.

Agência Estado - Teve impacto negativo o fato de as seleções viajarem tanto pelo País?

Michel Platini - O Brasil é um país grande. Sinto que as seleções devem rodar entre muitas cidades para dar a mais pessoas, em um número maior de regiões, a chance de as assistir.

Agência Estado - O que achou da tecnologia para determinar se a bola cruzou a linha do gol?

Michel Platini - Ela foi aprovada pelo Conselho Internacional, e a Fifa decidiu usá-la neste torneio. Não tivemos muitos casos duvidosos até agora, mas acredito que funcionou bem. Existe a possibilidade de que possamos utilizá-la na Eurocopa de 2016 também. Devo dizer que sinto que deveríamos ter mais árbitros assistentes na Copa do Mundo, trabalhando ao lado da Goal Line Technology.

Copa 2014