Geraldo Bubuniak/AGB
Geraldo Bubuniak/AGB

Polícia prende torcedor envolvido em briga no PR; corintianos recebem alta

João Carlos de Paula foi preso dentro do estádio, após ser reconhecido pelas roupas

Felipe Rosa Mendes e Edson Fonseca, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

18 Junho 2017 | 14h26

O delegado Clóvis Galvão, da Delegacia Móvel de Atendimento a Futebol e Eventos, confirmou neste domingo a prisão de um dos torcedores do Coritiba que agrediu corintianos antes do jogo entre os dois times, perto do estádio Couto Pereira, na capital paranaense. Jonatan José Gomes Souza da Silva, corintiano que sofreu as maiores agressões, já recebeu alta.

Segundo o delegado, João Carlos de Paula foi detido por suspeita de ser um dos agressores. Ele teria sido preso dentro do estádio ao ser identificado pelas roupas, flagradas por câmeras de segurança que registraram as agressões ao corintiano, ao lado do estádio. 

O delegado chegou a informar, mais cedo, que o corintiano teria morrido após dar entrada no Hospital do Trabalhador. Mas Clóvis Galvão voltou atrás e disse ter recebido informação equivocada. Em contato com a reportagem do Estado, o hospital negou o óbito. O delegado também recuou e desmentiu a morte.

A Secretaria de Saúde do Paraná confirmou na tarde deste domingo que o corinthiano agredido pela torcida do Coritiba, que chegou a ser dado como morto, recebeu alta por volta das 16 horas. Jonathan José Gomes da Silva, de 29 anos, sofreu uma fratura no braço e traumatismo craniano, mas apresentou melhoras após os atendimentos e foi liberado. Ele estava internado no Hospital do Trabalhador junto com outro torcedor do Corinthians agredido, que também recebeu alta.

Outros cinco torcedores que estavam nos hospitais Cajuru e Evangélico também receberam alta no final da tarde.  O Siate também socorreu outros dois homens que não quiserem ser encaminhados para os hospitais.

A confusão ocorreu nas proximidades do estádio Major Antônio Couto Pereira, no bairro Alto da Glória e também nas ruas Mauá, 7 de Abril e Amâncio Moro. Essa última fica próxima da sede da Império Alviverde, uma das torcidas organizadas do Coritiba.

Em um vídeo que circula pelas redes sociais, o ônibus da torcida do Corinthians aparece sendo alvo de pedradas. Na sequência, um grupo de cerca de 15 torcedores do Coritiba aparecem dando chutes e socos em um corintiano deitado no asfalto, perto de uma das entradas do Couto Pereira. Este torcedor agredido seria Jonatan José Gomes. Quando a polícia chegou ao local, ele já estava desacordado.

A confusão atrasou a chegada do Corinthians ao estádio e fez a partida começar alguns minutos atrasada. O jogo terminou empatado em 0 a 0, pela oitava rodada do Campeonato Brasileiro.

REPÚDIO

Ainda durante o jogo, os dois times repudiaram o episódio de violência. O Corinthians chegou a lamentar a morte noticiada de forma equivocada. "Infelizmente, a violência e a covardia se tornaram, mais uma vez, os principais assuntos num domingo de futebol. Que os torcedores que sofreram os atos de agressão e covardia se restabeleçam e que os órgãos competentes apurem e punam os responsáveis", disse o Corinthians, nas redes sociais.

O Coritiba seguiu na mesma linha em suas redes sociais. "Fora de campo, um dia extremamente triste para todos os amantes de futebol. Lamentável o que aconteceu. Que todos envolvidos sejam punidos. O Coritiba lamenta e é contra qualquer tipo de ato de violência entre torcedores, seja de qual time for", afirmou o clube paranaense.

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.