1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Portuguesa cumpre liminar e abandona o gramado em Joinville

Gonçalo Junior - O Estado de S. Paulo

18 Abril 2014 | 19h 56

Delegado da partida entrou em campo com documento; saída da Lusa ocorreu após 17 minutos

Atualizada às 20h28

SÃO PAULO - Pelo descumprimento da liminar que recolocava a Portuguesa na Série A do Campeonato Brasileiro, a partida contra o Joinville foi interrompida aos 17 minutos do primeiro tempo, na Arena Joinville. O delegado da partida, Laudir Zermiani, entrou no gramado com a liminar e imediatamente o técnico Argel Fucks pediu que os jogadores saíssem do campo. Os atletas do Joinville deixaram o gramado depois de 30 minutos após a saída do time paulista. 

O torcedor da Portuguesa, Renato de Britto Azevedo, que obteve a liminar favorável ao clube, ameaçou entrar com uma queixa crime contra a diretoria da Portuguesa e a CBF. A partir dessa ameaça, a diretoria da Portuguesa decidiu retirar o time do campo. A partida, no entanto, pode ser retomada. A CBF argumenta que apenas o presidente da entidade, José Maria Marin, pode receber a liminar.

Faltando duas horas para a partida, por volta das 17h30, o presidente da Portuguesa, Ilídio Lico, ainda aguardava uma manifestação oficial da CBF e também pretendia consultar outros dirigentes do clube para decidir se o time jogaria ou não. "Quero consultar os outros poderes do clube para não tormar a decisão sozinho", disse o dirigente ao Estado duas horas antes do horário marcado para o jogo.

Na última quinta-feira, a diretoria da Portuguesa descobriu que o torcedor Renato Britto de Azevedo obteve liminar na 3ª Vara Cível do Foro Regional da Penha, em São Paulo, devolvendo os quatro pontos que a Portuguesa perdeu no julgamento do STJD no final do ano passado pela escalação irregular do meia Héverton. Com a decisão da juíza Adaísa Bernardi Isaac Halpern, a Lusa está provisoriamente na Série A. A CBF chegou a pedir reconsideração, mas o pedido foi negado pela juíza.

Na semana passada, a CBF conseguiu cassar a liminar que a própria Portuguesa havia conseguido em São Paulo. Além disso, o Superior Tribunal de Justiça definiu o Rio de Janeiro como único foro competente para julgar as ações relacionadas ao "caso Lusa".