Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Esportes

Esportes » Prass desabafa após jogo do Palmeiras: 'Foi um sufoco desgraçado'

Futebol

Daniel Teixeira|Estadão

Esportes

Futebol

Prass desabafa após jogo do Palmeiras: 'Foi um sufoco desgraçado'

Goleiro pega pênalti na vitória sobre o Rosario, pela Libertadores

0

Daniel Batista,
O Estado de S. Paulo

04 Março 2016 | 00h17

A primeira vitória do Palmeiras como mandante em 2016 teve como personagem novamente o herói da final da Copa da Brasil. O goleiro Fernando Prass voltou a pegar pênalti, salvar a equipe com defesas e mesmo com cãibras, foi fundamental para que a equipe conseguisse bater o Rosario Central por 2 a 0 pela Copa Libertadores, resultado que segundo ele, tirou do time uma grande cobrança.

Em entrevista ao canal Fox Sports depois do jogo, Prass resumiu em uma frase o sentimento da partida. "Foi um sufoco desgraçado", comentou. O goleiro foi fundamental para o Palmeiras conquistar a vitória. Quando o placar era de 1 a 0, fez ótimas defesa e defendeu um pênalti do artilheiro do Rosário Central, o atacante Ruben, batido no canto direito.

Prass contou ter estudado bastante as cobranças do argentino. "Tem um pessoal no Palmeiras que trabalha muito. Sempre converso com eles. Recebemos vídeos dos atacantes adversários. Juntando essa análise do pessoal do desempenho e o meu feeling, consegui defender", explicou. O material conferido pelo goleiro tinha vídeos de Ruben em finalizações por variados campeonatos, como na Ucrânia, México e Espanha.

"Precisávamos de uma vitória assim para tirar o peso das costas. O fundamental era ganhar. Prevíamos que seria um jogo bem complicado", disse. O goleiro contou ainda ter superado problemas físicos no segundo tempo. "Para bater na bola e saltar a panturrilha direita estava 'fisgando'. Vou ter que descansar bem nos próximos dias", comentou.

A mobilização do time para ganhar começou no domingo, quando começou a se cobrar depois da derrota para a Ferroviária, pelo Campeonato Paulista. O elenco se reuniu para conversar durante uma hora e meia. "Esse grupo não fica indiferente às coisas. Sentimos o ambiente, ficamos frustrados e conversamos para melhorar e reagir", contou Prass.

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.