Darko Bandic|AP
Darko Bandic|AP

Prefeito de cidade-sede pede para 'não se bater em turistas' durante Copa da Rússia

Kaliningrado receberá quatro jogos do próximo Mundial e está construindo um estádio de 35 mil lugares

AFP

18 Outubro 2017 | 15h16

O prefeito de Kaliningrado, uma das cidades-sede da Copa do Mundo da Rússia-2018, pediu nesta quarta-feira para os habitantes deixarem a cidade durante o Mundial e não baterem nos torcedores estrangeiros.

+ Infográfico: Descobrindo a Rússia

+ Hooligans russos prometem 'festival da violência' durante a Copa

Durante a próxima Copa do Mundo, que vai ser realizada entre os dias 14 de junho e 15 de julho, os habitantes de Kaliningrado "devem ser hospitaleiros, amigáveis e não baterem em ninguém", declarou Alexandre Yaroshuk à emissora Komsomolskaya Pravda de Kaliningrado.

"Se falarem inglês, ajudem os turistas, ofereçam conselhos e conversem com eles", acrescentou. O prefeito recomentou que os habitantes deixem a cidade "para descansar no campo" durante o Mundial.

"A cidade vai estar cheia de gente e os deslocamentos serão difíceis. Praticamente proibidos, salvo para os ônibus que transportem os torcedores", justificou.

Quatro jogos estão programados para Kaliningrado, que está construindo novo estádio para 35 mil pessoas. A estrutura deve ser concluída antes do final do ano.

"Vão vir entre 70.000 e 100.000 turistas à nossa cidade. Todos, obviamente, não irão ao estádio", garantiu Yaroshuk. O prefeito especificou que pelo menos um dos jogos da cidade vai ser entre "duas seleções europeias alto nível".

Acostumadas a encararem o problema da violência no futebol, as autoridades russas reforçaram os esforços com o objetivo de controlar os 'hooligans' durante a Copa do Mundo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.