Presidente da Conmebol lamenta a confusão no Pacaembu

O presidente da Conmebol (Confederação Sul-Americana de Futebol), Nicolás Leoz, lamentou nesta sexta-feira as cenas de violência provocadas pela briga entre os torcedores do Corinthians, revoltados com a eliminação do time na Copa Libertadores da América, e policiais militares, no Pacaembu. "Foi uma pena. Algo muito triste para o futebol", disse o dirigente, que fez questão de elogiar a atuação do árbitro chileno Carlos Chandía. "Felizmente o árbitro e os jogadores não foram os protagonistas deste fato. Tiveram um comportamento exemplar quando o incidente começou". Com relação a alguma punição ao Corinthians por causa da briga de sua torcida e o conseqüente término do jogo antes dos 90 minutos regulamentares, Leoz informou que os membros do Comitê Executivo da entidade sul-americana estudarão, a partir desta sexta, o relatório oficial da partida e as medidas que serão tomadas para repudiar o acontecimento. O árbitro chileno declarou que ficou surpreso com a reação dos torcedores do Corinthians logo após a marcação do terceiro gol do River Plate. "Não tenho memória de ter passado por uma situação como essa. Até o minuto 84, estava tudo normal. Era uma partida disputada, com muita emoção, mas tive que suspendê-lo por causa dos incidentes provocados pela torcida do Corinthians", disse Chandía, em entrevista a uma rádio chilena.

Agencia Estado,

05 Maio 2006 | 13h58

Mais conteúdo sobre:
libertadores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.