Anton Uzunov/Reuters - 23/11/2016
Anton Uzunov/Reuters - 23/11/2016

Presidente diz que Corinthians não está 'tão esperançoso' no acerto com Cicinho

Roberto de Andrade também fala na dificuldade da contratação de um zagueiro

Nathalia Garcia, O Estado de S. Paulo

26 Maio 2017 | 19h06

Em busca de um reforço para a lateral direita, o Corinthians vê um entrave na negociação com Cicinho, que está no Ludogorets, da Bulgária. O presidente Roberto de Andrade adotou um tom pessimista nesta sexta-feira, em entrevista coletiva no CT Joaquim Grava, ao dizer que a diretoria corintiana já se viu mais próxima do acerto com o jogador do que atualmente.

"Não está nem um pouco próximo, está difícil. Última informação que nos chegou é que o clube não está querendo liberá-lo, continuamos trabalhando, mas não estamos tão esperançosos quanto estávamos", afirmou.

A zaga é outra posição que faz o Corinthians monitorar o mercado. O técnico Fábio Carille até admitiu ter interesse na volta de Anderson Martins, que está no futebol árabe, mas a possibilidade parece ainda distante. Segundo Roberto de Andrade, o clube esbarra na indisponibilidade de jogadores. "A gente está buscando esse zagueiro não é de hoje, mas não achamos a disponibilidade da característica que a comissão técnica quer, a gente quer trazer qualidade e soma, por isso, até agora não conseguimos trazer", disse.

O mandatário voltou a enfatizar que a contratação de Pablo, emprestado pelo Bordeaux, da França, até dezembro, é prioridade. "Faremos todos os esforços possíveis, estamos conversando, tem um prazo ainda para exercer a compra (em julho), nossa prioridade é a contratação do Pablo. Estamos trabalhando e esperamos que dê tudo certo."

Sem Balbuena (lesão muscular na coxa direita) e Vilson (artroscopia no joelho esquerdo) e diante da dúvida de Pablo (dores na coxa direita), o Corinthians pode ter apenas dois zagueiros à disposição para a partida contra o Atlético-GO, no domingo, pelo Campeonato Brasileiro. Apesar do problema, o técnico Fábio Carille minimiza a carência na posição.

"É muito difícil acontecer o que aconteceu, ter três zagueiros fora por contusão. Balbuena fica fora contra o Santos, mas depois fica em condição de jogar. Pablo é algo só para esse jogo, se não jogar. Conversando com a diretoria, sabemos da realidade de tudo e trabalhamos em conjunto. Se não sair ninguém, terminamos o ano com esses cinco zagueiros."

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.