1. Usuário
Assine o Estadão
assine
Copa 2014

Preso em escândalo de ingresso diz à polícia onde obtinha entradas

Tiago Rogero; Jamil Chade - O Estado de S. Paulo

05 Julho 2014 | 12h 26

Confira o vídeo divulgado pela polícia do Rio de Janeiro no momento da prisão de Lamine Fofana

O franco-argelino Lamine Fofana revelou à polícia ter conseguido com a Match, empresa ligada ao sobrinho do presidente da Fifa, os ingressos que buscava no Copacabana Palace, na zona sul do Rio, onde está hospedada a cúpula da Federação durante o Mundial do Brasil. No luxuoso hotel, estaria também, se ainda não fugiu do Brasil, o integrante da Fifa apontado pela investigação como o líder do esquema milionário de venda de entradas da Copa do Mundo.

No momento da prisão de Fofana, na terça-feira pela manhã, durante a Operação Jules Rimet, o delegado responsável pela investigação, Fábio Barucke, da 18ª DP (Praça da Bandeira), perguntou ao franco-argelino: "Com quem você pega esses ingressos no Copacabana Palace?". Fofana respondeu: "Match Hospitality". Na quinta-feira, o delegado revelou que também a empresa, única autorizada pela Fifa para venda de pacotes de ingressos e camarotes, está sendo investigada e que, além do membro da Fifa, a polícia também busca um integrante da Match na quadrilha.

No vídeo, obtido pelo Estado, o delegado pergunta a Fofana para que servia o adesivo da Fifa em seu carro, um chevrolet Meriva alugado. "Esse adesivo da Fifa é o quê?", questiona Barucke. "Esse é o passe de estacionamento para jogo", responde em português, com bastante sotaque e misturado a algumas palavras em francês, o franco-argelino. "Quando comprei pela Fifa, veio esse passe de jogo para Rio, Belo Horizonte, Brasília e Rio de novo", completou Fofana, conhecido por suas amizades com dirigentes, jogadores e ex-jogadores.

Barucke questiona Fofana se, com o adesivo no carro, ele conseguiria ter acesso a alguma festa da Fifa. O franco-argelino nega. "E ao Copacabana Palace"? "Não. Eu 'vá' para Copacabana Palace 'solo' para pegar 'el presente' lá, e ingresso para 'mi' família". "Pegar e levar para sua família? Você não vende não, né?", pergunta novamente o delegado. "Não, peguei 'solo' dez", responde Fofana. Na operação, foram apreendidos cerca de 130 ingressos com os integrantes da quadrilha, muitos de camarote;

Esta semana, o diretor de Marketing da Fifa, Thierry Weil, afirmou em nota que "Mohamadou Lamine Fofana nunca foi credenciado para a Copa do Mundo da FIFA e não teve acesso a nenhum carro oficial da Copa do Mundo da FIFA".

A polícia estima que, só no Mundial do Brasil, a quadrilha tinha potencial para lucrar mais de R$ 200 milhões - o promotor Marcos Kac, da 9ª Promotoria de Investigação Penal, que atua em conjunto com a polícia na desarticulação da quadrilha que atuou pelo menos nas últimas quatro Copas do Mundo, estima que o faturamento do grupo com a Copa de 2014 poderia ficar entre R$ 300 e 500 milhões.

No vídeo, o franco-argelino também nega ter escritório em Genebra, na Suíça, mas, segundo o delegado, uma das empresas de Fofana está registrada na cidade suíça, conhecida por seus amplos benefícios fiscais. 

INFORMAÇÕES CONFLITANTES

A Fifa criticou o comportamento da polícia de revelar detalhes das operações contra cambistas à imprensa e diz que o nome da pessoa que as autoridades estão buscando não trabalha para a entidade e é, na verdade, um cambista que já está preso.

Segundo Thierry Weil, diretor de Marketing da Fifa, a polícia entregou para a Fifa apenas uma parte das informações do processo da operação Jules Rimet, que acabou com a prisão de 11 pessoas e a revelação de que o esquema envolvia gente dentro da Fifa. A polícia passou a buscar esse funcionário. Mas se recusou a dar o nome do envolvido.

A Fifa indicou que o nome da pessoa sendo investigada é "Roger". Mas rejeitou a tese de que a pessoa seja funcionário da entidade. Para a Fifa, essa pessoa ja foi presa pela própria polícia e era um cambista que também atuava dentro do Copacabana Palace, onde

"Há uma discrepância entre o que diz para a imprensa e para nós", declarou. "Se a polícia fala sobre uma investigação que está sendo feita, não sei se é a forma mais correta. Na Europa isso não ocorre", atacou.

Segundo ele, os ingressos apresentados pela polícia para a Fifa são apenas 141, dos quais dez são para jogos de 2010 e 2013. 

Copa 2014

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo