Oscar Scarff/AFP
Oscar Scarff/AFP

Promotores espanhóis acusam Falcao García e Fábio Coentrão de crimes fiscais

Atacante colombiano e lateral português cometeram suposta fraude

Estadão Conteúdo

16 Maio 2017 | 14h46

Promotores espanhóis solicitaram, nesta terça-feira, à Justiça que acuse o centroavante colombiano Radamel Falcao García por fraude fiscal no país de U$ 6,1 milhões (cerca de R$ 19 milhões) entre os anos de 2012 e 2013.

Os acusadores dizem que o atleta, atualmente no Monaco, recebeu benefícios fiscais de forma ilegal e sonegou impostos após a assinatura de contrato com o Atlético de Madrid, em 2011, clube no qual permaneceu por duas temporadas antes de se transferir para o futebol francês.

A denúncia também atinge o lateral-esquerdo português Fabio Coentrão, hoje no Real Madrid, de tentar fraudar o fisco em aproximadamente U$ 1,4 mi (R$ 4,35 milhões), no mesmo ano de 2011.

Em 2016, o meia argentino Lionel Messi, do Barcelona, e o pai dele foram sentenciados a 21 meses de prisão por crimes fiscais. Ambos não foram presos porque as condenações foram abaixo de dois anos para a primeira infração criminal como é usual na Espanha.

Ambos os clubes - Atlético de Madrid e Real Madrid - não se pronunciaram sobre a acusação da Promotoria espanhola envolvendo Falcao García e Fabio Coentrão.

Mais conteúdo sobre:
futebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.