Celio Messias/Estadão
Celio Messias/Estadão

Próximo do título, Carille lembra conselho da mãe: 'Para que vai pegar isso?'

Treinador lembra que teve opiniões divergentes dos pais quando disse que poderia ser técnico

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

14 Novembro 2017 | 20h58

No dia 21 de dezembro, Fábio Carille recebeu o convite para ser técnico do Corinthians e no dia seguinte, foi anunciado pelo clube como o comandante para essa temporada. Em menos de um ano, ele já ganhou um título, quebrou recordes e está por uma vitória de conquistar o Campeonato Brasileiro. Se dependesse da vontade de sua mãe, Vanda, tudo poderia ter sido diferente.

+ Carille projeta jogo especial e minimiza falta de taça de campeão

O treinador, sempre sério em suas entrevistas coletivas, quebrou o protocolo e lembrou o dia em que contou para seus pais que iria ser técnico do Corinthians. "No dia 21, quando o Corinthians me ligou, eu falei: 'Acho que vou ser convidado para ser técnico do Corinthians'. Meu pai falou: 'Sério? Vai lá!' e minha mãe disse: 'Mas você está tão feliz como auxiliar? Para que vai pegar isso?'. Então, ainda bem que não a ouvi, mas eu a amo mesmo assim", disse, sorrindo logo em seguida.

Vanda e Joaquim (seu pai) irão assistir ao jogo com o Fluminense no Itaquerão, nesta quarta-feira. Eles e um grupo de amigos do Carille viajarão de Sertãozinho para acompanhar a partida que pode dar o título antecipado ao time paulista.

+ Operado, goleiro Walter passa bem e comemora sucesso de cirurgia

"A grande inspiração foi meu pai. Ele vai estar aqui amanhã (quarta-feira) e também vai sair uma van de lá, mas não achem que a cidade vai estar vazia, viu gente? São 120 mil habitantes e vão vir uns 14 só. Tenho falado pouco com eles, porque eles me deixam muito mais nervosos do que vocês (jornalistas)", disse o treinador, mantendo o bom humor.

+ Léo projeta dificuldade, mas vê Fluminense capaz de estragar festa do Corinthians

O fato é que em nove anos trabalhando no Corinthians, Carille já tem nove títulos na carreira, sendo oito deles como auxiliar técnico. "Cada vez mais eu tenho certeza de que sou um cara abençoado. O Mano (Menezes) tinha tanta gente para trazer e resolveram me escolher para participar do clube. Tive a oportunidade de ser campeão paulista invicto em 2009, campeão da Copa do Brasil, trabalhei com Ronaldo, Roberto Carlos, algo que eu nunca imaginei, ganhei Libertadores, Mundial, pude ir para o Japão... Eu realmente sou um cara abençoado", comentou o técnico.

Os títulos conquistados como auxiliar foram: Mundial de Clubes (2012), Libertadores (2012), Recopa Sul-Americana (2013), Brasileiro (2011 e 2015), Copa do Brasil (2009) e Paulista (2009 e 2013).

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.