Queda já preocupa o São Paulo

Ninguém no vestiário do São Paulo conseguiu explicar exatamente o que aconteceu com a equipe desde a derrota para o Palmeiras. Consenso no discurso não existe. Porém, em um detalhe todos parecem concordar: o grupo está preocupado com a situação, por mais que o técnico Nelsinho Baptista insista que o ambiente permanece inalterado. Afinal, neste domingo, a equipe perdeu a segunda seguida no Rio-São Paulo: 1 a 0 para o São Caetano. Quem mais deixou isso evidente foi o goleiro Rogério Ceni. Convocado para a seleção brasileira (ele se apresenta nesta segunda-feira ao lado de Belletti e Kaká) e um dos mais experientes do grupo são-paulino, o jogador não escondeu que a equipe precisa ficar atenta à tabela. "Hoje estamos na terceira posição e precisamos manter essa distância de pontos para o quarto colocado até o final do campeonato", afirmou. "Precisamos ter tranqüilidade tanto nos momentos de vitória quanto nos de derrotas." Para Rogério, o problema de seu time neste domingo ficou restrito a um único momento: exatamente o lance do gol. "Tivemos somente uma desatenção naquela cabeçada na área", disse. "O jogo também ficou complicado por causa do gramado encharcado, que dificultou as duas equipes, que são técnicas." Otimismo - Do lado do São Caetano, o que não faltou foi modéstia para o técnico Jair Picerni. No final da partida, sua análise foi enfática. "O tempo (clima) atrapalhou", afirmou. "Mas o São Caetano sobrou no jogo." Para o treinador, a equipe do ABC está recuperando a forma de jogar que a caracterizou nas campanhas dos campeonatos brasileiros de 2000 e 2001. "Demorou um pouco para os atletas que chegaram neste ano incorporarem nossa filosofia", explicou Picerni. "Mas agora estamos recuperando aquela alegria de jogar."

Agencia Estado,

24 Março 2002 | 20h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.