Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Queda precoce na Sul-Americana também abala o caixa do São Paulo

Clube deixa de receber R$ 11 milhões após eliminação para Defensa y Justicia

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

13 Maio 2017 | 07h00

Com a eliminação do São Paulo na Copa Sul-Americana, o clube deixou de brigar por um montante de US$ 3,675 milhões (R$ 11,48 milhões) por cair precocemente no torneio. Se fosse campeão, como aconteceu em 2012, o time do Morumbi lucraria esse valor com a campanha.

Na segunda fase, a equipe que disputa recebe US$ 300 mil (R$ 937 mil). O valor salta para US$ 375 mil (R$ 1,17 milhão) na fase seguinte, que é de oitavas de final. Já nas quartas de final os participantes vão ganhar US$ 450 mil (R$ 1,4 milhão). Quem avançar à semifinal arrecada US$ 550 mil (R$ 1,71 milhão). O valor salta para no mínimo US$ 1 milhão (R$ 3,12 milhões) para o finalista. O campeão ganha US$ 2 milhões (R$ 6,24 milhões) pelo título continental.

Isso tudo, sem contar nas rendas das partidas em casa. Contra o Defensa y Justicia, por exemplo, o São Paulo teve uma renda líquida de R$ 111.856,25, pois contou com apenas 14.999 pagantes para o duelo no Morumbi. Mas nas fases mais agudas do torneio sul-americano a tendência seria de público e renda bem maiores.

Além de perder receitas e estar com uma situação financeira frágil, sem patrocinador master, a diretoria terá de lidar com os pedidos do técnico Rogério Ceni. O treinador já disse publicamente que pretende contar com reforços para a disputa do Campeonato Brasileiro.

“Vamos detectar o que a gente precisa e ver se é possível trazer um ou dois jogadores. Também temos de trabalhar com o que temos e evoluir. Precisamos de confiança, pois o objetivo, não só meu como do clube, é estar na Libertadores do ano que vem. A gente já viu equipes serem eliminadas, mas darem a volta por cima e serem campeãs”, comentou.

Nesta sexta-feira, o São Paulo promoveu a primeira mudança no elenco após a eliminação. O zagueiro Breno, que não convenceu nas chances que teve, foi emprestado para o Atlético-GO até o final do ano, quando acaba seu contrato com o São Paulo. Existe uma cláusula que dá prioridade ao time do Morumbi para ficar com ele.

Como compensação do empréstimo, o Atlético-GO emprestou o jovem atacante João Pedro, de 19 anos, para o tricolor. A princípio o garoto será utilizado nas categorias de base em Cotia. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.