Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

'Rachão' do Palmeiras termina em discussão entre Cuca, Omar e Felipe Mello

Cuca ficou irritado por bate-boca, motivado pelo placar do rachão, acontecer na presença da imprensa

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

22 Maio 2017 | 19h24

O treino do Palmeiras desta segunda-feira terminou em discussão entre o técnico Cuca, o volante Felipe Melo e o preparador físico Omar Feitosa. O motivo seria uma divergência no placar do "rachão", treinamento descontraído realizado no final da tarde na Academia de Futebol. Embora tenha sido considerada "corriqueira" por pessoas próximas à comissão técnica, a discussão deixou o técnico Cuca incomodado por ter acontecido diante da imprensa, que acompanhava a entrevista coletiva do volante Thiago Santos.

Após o auxiliar Cláudio Prates apitar o final do treino, Felipe Melo, Cuca e Omar Feitosa discutiram no gramado. Os jogadores Egídio e Mayke tentaram diminuir o tom. Cuca se encontrou com o preparador no caminho para o vestiário. Irritado, o treinador deu uma bronca no preparador, gesticulou e entrou. Depois, reapareceu para pedir, novamente, a entrada de Omar. A discussão se encerrou na parte interna da Academia de Futebol.

Essa não é a primeira vez que uma discussão agita o clube na temporada. Durante o jogo de ida da semifinal do Campeonato Paulista, em Campinas, o mesmo Omar Feitosa teve de ser contido pelos atletas durante uma discussão com Thiago Santos no banco de reservas. O preparador tentou evitar uma expulsão do volante por causa de reclamação.

Antes do rachão, Thiago Santos treinou no lugar de Felipe Melo e será titular contra o Atlético Tucumán, pela Copa Libertadores. De acordo com o jogador, a preparação para o jogo desta quarta-feira já começou no domingo, quando o Palmeiras foi derrotado pela Chapecoense, fora de casa. "Ele (Cuca) chamou, falou para eu e o Tchê Tchê ir entrosando e que no jogo da Libertadores iríamos jogar juntos", disse o volante em entrevista coletiva na tarde desta segunda-feira.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.