Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Esportes

Esportes » Ramires nega abalo psicológico e vê time brasileiro preparado

Futebol

Esportes

Copa 2014

Ramires nega abalo psicológico e vê time brasileiro preparado

O volante acredita que se emocionar é normal, e disse que os jogadores estão motivados para enfrentar a próxima partida

0

Leandro Silveira - enviado especial a Teresópolis,
O Estado de S. Paulo

01 Julho 2014 | 14h22

A questão psicológica continua sendo assunto central na seleção brasileira após jogadores como o goleiro Julio Cesar e o zagueiro Thiago Silva chorarem antes da disputa de pênaltis contra o Chile, no último sábado, no Mineirão. O volante Ramires, porém, negou que o time esteja abalado psicologicamente pela pressão de vencer a Copa do Mundo em casa e destacou que já viu jogadores ainda mais experientes chorarem em momentos de tensão.

"Está sendo bastante falada essa questão psicológica. O que vivemos contra o Chile foi uma emoção diferente. Passei por isso numa Liga dos Campeões, com jogadores ainda mais experientes. É normal isso em um jogo. Trabalhamos isso antes da Copa com a (psicóloga) Regina Brandão. Todo jogador está preparado para o que vier. O que passamos servirá de mais motivação", disse, em entrevista coletiva nesta terça-feira na Granja Comary, em Teresópolis (RJ).

Assim, Ramires garantiu que a seleção estará ainda mais bem preparada se passar novamente pela pressão de definir uma classificação ou até o título mundial nos pênaltis. "Se vier outra disputa por pênaltis, estaremos mais bem preparados. Se passamos do Chile, é porque estávamos bem preparados. Jogamos 90 minutos, prorrogação, pênaltis, com 200 milhões de pessoas torcendo. O time está preparado para o que vier, seja questões extracampo ou emocionais. Estamos administrando bem isso", afirmou.

O goleiro Victor também emitiu opinião parecida com a de Ramires. Ele negou existir abalo psicológico nos jogadores e avaliou que o choro significa que estão todos muito concentrados na luta pelo título mundial. "O pessoal põe isso como peso, mas vejo que estamos vivendo a Copa de forma intensa. E aí se extravasa através do choro. Mas não é ruim, o Julio Cesar chorou antes das cobranças (de pênaltis contra o Chile) e fez o que fez. Vejo isso como intensidade e orgulho de representar o Brasil", comentou.

Ramires destacou também que Felipão tem importante papel motivador dentro do grupo da seleção, tentando levantar a moral de jogadores que tiveram atuações ruins. "Ele motiva bastante, percebe quando o jogador se abate porque não rendeu o que se espera. Dá força nas reuniões, fala que confia, que está ao lado do jogador, para que possa ajudar com seu melhor futebol", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.