Washington Alves / Cruzeiro
Washington Alves / Cruzeiro

Reunião em Minas nesta terça pode definir se Mano ficará livre para o Palmeiras

Técnico irá ouvir proposta de nova diretoria cruzeirense

Estadão Conteúdo

17 Outubro 2017 | 12h26

Uma reunião na tarde desta terça-feira, na Toca da Raposa, CT do Cruzeiro, em Minas Gerais, pode definir o planejamento do Palmeiras para a próxima temporada. Mano Menezes, técnico do time mineiro e principal nome na lista dos preferidos da diretoria do clube paulista para substituir o demitido Cuca, vai se reunir com o novo presidente cruzeirense, Wagner Pires de Sá, e seus representantes, para debater os planos de 2018. A reunião pode definir a continuidade ou a saída do treinador.

+ Thiago Neves pede que Cruzeiro mantenha Mano no comando: 'Tem de dar um jeito'

+ Após saída de vice de futebol, Tinga anuncia que deixará Cruzeiro no fim do ano

Fontes ligadas ao clube mineiro garantiram que o Cruzeiro tem a intenção de conceder um aumento salarial para que Mano continue no cargo. Para convencer o treinador a ficar, o clube mineiro pretende, inclusive, oferecer aumentos para o preparador Eduardo Silva e o auxiliar Sidnei Lobo. Com isso, o Palmeiras teria de procurar outro comandante.

O contrato de Mano com o clube mineiro vai até o fim do ano e, embora não tenha existido um contato oficial, o técnico conhece o interesse palmeirense. Em sua primeira entrevista coletiva no retorno ao Cruzeiro, ainda no mês de julho de 2016, após se desligar do Shandong Luneng, o treinador afirmou que sua situação financeira estava equilibrada em função da passagem pelo clube da China.

O que deve atraí-lo para definição do seu futuro, portanto, é um projeto competitivo, com a formação de um elenco forte para a disputa da Copa Libertadores. O Cruzeiro já está classificado em função do título da Copa do Brasil e o Palmeiras ainda busca a vaga - hoje é o quarto colocado do Campeonato Brasileiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.