1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Rival do São Paulo homenageia poeta e sonha com zebra

- Atualizado: 03 Fevereiro 2016 | 07h 36

Com goleiro da seleção, Cesar Vallejo quer avançar na Libertadores

Ganhar novo status, atrair mais torcedores e fazer história. O jovem e azarão Universidad Cesar Vallejo vê na possibilidade de enfrentar o São Paulo na pré-Libertadores, nesta quarta-feira, a chance de conquistar o feito mais glorioso dos apenas 20 anos de história do clube, que por homenagear um dos maiores nomes da literatura sul-americana, ganhou o apelido de "Os Poetas".

Receber o tricampeão mundial em Trujillo, cidade litorânea no norte do país, será o jogo mais importante da história. Fundada em 1996 como uma equipe amadora da universidade local, virou a surpresa nacional ao deixar de disputar ligas menores para em oito anos chegar à elite e se credenciar pela segunda vez disputar a fase preliminar da Libertadores. A primeira oportunidade foi em 2013, quando perdeu para o Tolima, da Colômbia.

Libman sonha com zebra na Libertadores
Divulgação
Experiente, Libman tenta levar Cesar Vallejo a feito histórico

Experiente, Libman tenta levar Cesar Vallejo a feito histórico

"Seguramente pela história e pelo nome, sabemos que o São Paulo é o favorito. Ganhar seria histórico, um grande feito", disse o goleiro Salomon Libman em entrevista ao Estado por telefone. O goleiro de 31 anos está na quarta temporada no clube e é presença constante na seleção peruana. Em 2013, trocou a titularidade no Alianza Lima, um dos maiores times do país, pelo desafio de ajudar o emergente Cesar Vallejo.

A tarefa tem como um dos grandes prêmios ter despertado o interesse do torcedor em uma região de pouca tradição no futebol. "Pouco a pouco tem aumentado o número de torcedores e a nossa ligação com a cidade. Quando cheguei ao time, iam poucos torcedores ao estádio. Isso é um trabalho que só pode ser feito com resultados, como na Copa Sul-Americana em 2014", explicou o goleiro.

A lembrança do torneio é bastante viva por ter feito de Libman um herói. Nas oitavas de final contra o Bahia, defendeu três pênaltis e ainda converteu o dele para garantir a classificação. O sonho do goleiro é poder repetir a façanha contra o São Paulo, adversário que mostrou conhecer bem. Durante a entrevista, citou reforços como Mena e Lugano, falou sobre o técnico Edgardo Bauza e comemorou que o jogo da volta será no Pacaembu e não no Morumbi.

O goleiro afirmou que o Cesar Vallejo tem como pontos fortes a velocidade pelas pontas e a bola parada, além de outros atletas no elenco com passagens pela seleção peruana. "No aspecto econômico nosso clube é mais organizado que os demais do Peru. Vim para cá pela ideia de ser uma equipe jovem, com a ambição de trazer jogadores do exterior e ser campeão nacional", contou.

A equipe joga no estádio municipal Mansiche, reformado em 2004 para receber jogos da Copa América e do Mundial sub-17. A cidade de cerca de 1 milhão de habitantes foi o berços intelectuais do poeta que batiza o time. Cesar Vallejo (1892-1938) estudou literatura em uma faculdade local antes de se tornar um renomado escritor. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EsportesX